Ouvir Baixar Podcast
  • 08h57 - 09h00 GMT
    Flash de notícias 18/11 08h57 GMT
  • 08h33 - 08h57 GMT
    Programa 18/11 08h33 GMT
  • 08h30 - 08h33 GMT
    Jornal 18/11 08h30 GMT
  • 14h27 - 14h30 GMT
    Flash de notícias 17/11 14h27 GMT
  • 14h06 - 14h27 GMT
    Programa 17/11 14h06 GMT
  • 14h00 - 14h06 GMT
    Jornal 17/11 14h00 GMT
  • 08h36 - 08h57 GMT
    Programa 17/11 08h36 GMT
  • 08h30 - 08h36 GMT
    Jornal 17/11 08h30 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Últimas notícias
  • Estilista Azzedine Alaïa morre aos 77 anos em Paris

Viés feminista renova Teatro do Oprimido no cenário internacional

Viés feminista renova Teatro do Oprimido no cenário internacional
 
Bárbara Santos no Kuringa, que abriga o centro de pesquisa do Teatro do Oprimido em Berlim Cristiane Ramalho

Criado pelo dramaturgo Augusto Boal em plena ditadura militar, o Teatro do Oprimido conquistou o mundo e se espalhou por mais de 70 países. Agora, começa a ser revigorado por uma nova onda feminista. Um movimento que conta com mulheres da Europa, América Latina, África e Ásia. E que tem uma diretora brasileira no comando: a socióloga carioca Bárbara Santos, de 53 anos.

Por Cristiane Ramalho, correspondente da RFI em Berlim

Radicada em Berlim, Bárbara criou um espaço exclusivo para o Teatro do Oprimido na capital alemã: o Kuringa. Um centro voltado para pesquisa, eventos e qualificação de atores, instalado numa ampla sala no térreo de um prédio em Wedding, bairro popular com forte presença de imigrantes.

Em setembro, o Kuringa vai sediar o II Festival Internacional de Teatro das Oprimidas, com mulheres do mundo inteiro. Criado por Bárbara, o grupo Madalena-Berlim também vai participar do evento. “Vamos reforçar a campanha ‘Não significa não’, que luta pela mudança na legislação sobre a violência contra mulheres em países europeus. A gente tem, inclusive, uma peça que discute isso”, antecipa Bárbara.

“O ‘não’ da mulher não tem valor”

Bárbara Santos no Kuringa, que abriga o centro de pesquisa do Teatro do Oprimido em Berlim Cristiane Ramalho

Além de turnês pelo mundo, o Madalena-Berlim faz apresentações em abrigos para mulheres vítimas de violência. Levar o teatro até elas – que vivem sob tensão permanente - é uma forma de mostrar que não estão sozinhas.

“Com o espetáculo, elas entendem que a violência não é provocada por uma falha pessoal, mas um problema da sociedade patriarcal”, diz Bárbara. “A violência contra a mulher está presente no mundo inteiro. O fato de não se escutar um ‘não’ que uma mulher fala é gravíssimo. O ‘não’ da mulher não tem valor”.

Um dos desafios do grupo é superar as barreiras do idioma, já que muitas das mulheres no abrigo são imigrantes e não entendem alemão. “Nosso espetáculo é muito musical, muito físico, pouco verbal. Exatamente para facilitar a comunicação”.

No Brasil, Bárbara bebeu diretamente na fonte. Trabalhou por duas décadas com Augusto Boal. Foi, inclusive, coordenadora do Centro do Teatro do Oprimido no Rio de Janeiro.

Além de aprendiz, foi parceira: “Trabalhei com Boal por 24 anos. A gente desenvolveu muitas técnicas juntos, como o Teatro Legislativo. Ele foi vereador do Rio, e a gente fez toda uma experiência de teatro dentro do Parlamento”.

Obras nada convencionais

Boal desenvolve o Teatro do Oprimido ao sair para o exílio, nos anos 70, fugindo da ditadura no Brasil. Com o tempo, o conceito ganha o mundo. Passa por países

Mulheres participantes da Rede Madalena em Bogotá, Colômbia. Bárbara Santos

como Argentina, Portugal e França – onde se fixa e até hoje tem forte presença. Depois, se espalha pela Europa, Índia, África e Estados Unidos.

“Hoje, está em todos os continentes. Inclusive no mundo árabe e na Austrália. Até em países que não são democráticos, tem gente tentando fazer o Teatro do Oprimido”, diz a diretora, que mudou-se para Berlim em 2009, pouco depois da morte de Boal.

Em novembro, Bárbara estará em Paris com o grupo Madalena-Berlim. Elas vão se apresentar durante o Dia de Luta contra a Violência contra a Mulher, como convidadas de uma rede feminista.

Bárbara explica que os espetáculos do Teatro do Oprimido são sempre obras abertas,  nada convencionais. “A intenção é

Bárbara Santos com os livros que escreveu sobre o Teatro do Oprimido em português e espanhol. Felipe Tobon

provocar o público para que faça uma intervenção. É ele quem vai trazer a sua própria perspectiva e apresentar o final da história.”

Em setembro, entre um espetáculo e outro, a diretora lança seu segundo livro, em Portugal: Do Teatro do Oprimido ao Teatro das Oprimidas. “Ele começa depois da morte de Boal. Vou contar como desenvolvemos as pesquisas recentes até chegar à rede internacional de mulheres”. Uma história que, como o próprio teatro, ainda está em aberto.


Sobre o mesmo assunto

  • Brasil-Mundo

    Disco de brasileiro faz elo entre Brasil, Macau e Portugal

    Saiba mais

  • Brasil-África

    Atriz leva teatro do Brasil para Cabo Verde

    Saiba mais

  1. 1
  2. 2
  3. 3
  4. ...
  5. seguinte >
  6. último >
Programas
 
O tempo de conexão expirou.