Ouvir Baixar Podcast
  • 14h27 - 14h30 GMT
    Flash de notícias 23/10 14h27 GMT
  • 14h06 - 14h27 GMT
    Programa 23/10 14h06 GMT
  • 14h00 - 14h06 GMT
    Jornal 23/10 14h00 GMT
  • 08h57 - 09h00 GMT
    Flash de notícias 23/10 08h57 GMT
  • 08h36 - 08h57 GMT
    Programa 23/10 08h36 GMT
  • 08h30 - 08h36 GMT
    Jornal 23/10 08h30 GMT
  • 08h33 - 08h57 GMT
    Programa 22/10 08h33 GMT
  • 08h30 - 08h33 GMT
    Jornal 22/10 08h30 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Europa

Portugal anuncia luto por causa de incêndio e organiza coleta nacional

media Voluntários se mobilizam após incêndio. REUTERS/Miguel Vidal

Mais de mil bombeiros lutavam nesta segunda-feira (19) para tentar conter o gigantesco incêndio florestal na região central de Portugal, que deixou pelo menos 62 mortos, incluindo um cidadão francês, e provocou uma forte comoção no país. Governo anunciou três dias de luto nacional e organiza uma coleta solidária em todo o país.

Após um fim de semana com 40°C em várias regiões do país, a temperatura registrou leve queda, mas o incêndio, declarado no sábado (17) à tarde, em Pedrógão Grande, prosseguia na direção das regiões vizinhas de Castelo Branco e Coimbra.

É um cenário de desolação, de árvores carbonizadas e casas incendiadas, relata a reportagem da RFI em Portugal. Os jornalistas não têm acesso à área onde o incêndio ainda acontece. Moradores deixaram suas casas e algumas pessoas mortas foram encontradas em suas próprias casas em regiões mais isoladas, asfixiadas.

Luto de três dias

O governo português declarou luto nacional de três dias e a solidariedade se organiza através de uma coleta em todo o país para ajudar as vítimas do fogo. Segundo a enviada especial da RFI, uma casa de repouso abriu suas portas para acolher os habitantes deslocados e a população contribui com água e comida.

“Não temos mais nada”, declarou à RFI uma habitante de Pedrógão. “Minha casa foi toda queimada. Perdi tudo. Meu marido ficou queimado nas mãos, nos braços, no rosto... Mas ele não conseguiu salvar nossa casa. Queimou tudo. Tudo. Foi tudo muito rápido, não entendo como isso aconteceu, não sei como explicar! Estamos em casa, meu filho, meu marido e eu. Ninguém veio nos ajudar. Não vi um bombeiro sequer, fugimos de carro. É tudo muito difícil e não sei o que vai acontecer, não temos mais nada”, disse a sobrevivente.

O número de focos foi reduzido para 35 no domingo (18) à noite em todo o país, mas os recursos mobilizados continuavam sendo praticamente os mesmos, com mais de 2 mil bombeiros e 660 veículos.

Imprensa questiona tragédia

"Portugal chora por Pedrógão Grande" ou "Em memória das vítimas" eram algumas das manchetes dos jornais. "Como isto pode ter acontecido?", pergunta o Jornal de Notícias. "Por quê?", questiona o Público.

"Nossa dor é imensa, como nossa solidariedade com as famílias da tragédia", afirmou no domingo o presidente Marcelo Rebelo de Sousa, emocionado com a maior tragédia da história recente de Portugal. "Temos uma sensação de injustiça, pois a tragédia afetou os portugueses dos quais se fala pouco, de uma zona rural isolada", completou.

O balanço oficial mais recente era de 62 mortos e 62 feridos, incluindo cinco em estado grave, uma criança e quatro bombeiros. Mas as autoridades não descartam a possibilidade de encontrar outras vítimas nas áreas devastadas pelas chamas.

Nas colinas situadas entre as localidades de Pedrógão Grande, Figueiró dos Vinhos e Castanheira de Pera, que 24 horas antes das chamas estavam repletas de eucaliptos e pinheiros, a devastação era total.

Presos em carros

De acordo com as autoridades, muitas vítimas morreram em seus veículos quando se viram cercadas pelas chamas no momento em que passavam pela rodovia nacional 236, que liga Figueiró dos Vinhos com Castanheira de Pera, no sábado.

"Era verdadeiramente um inferno. Pensei que o fim do mundo havia chegado. Não acreditei que sairia viva", contou Maria de Fátima Nunes, que foi resgatada pelos bombeiros.

Corpos foram encontrados em casas localizadas em áreas isoladas. Os moradores de pelo menos três localidades próximas a Pedrógão Grande foram retirados de suas residências. Algumas vítimas identificadas "morreram em suas casas, que não deixaram a tempo", afirmou o primeiro-ministro António Costa, que pediu à população que respeite as ordens de evacuação.

Relatos do inferno

"Se deixar a minha casa, vai queimar tudo, pois não temos ninguém que nos ajude", declarou Fernando Pais, um agricultor de 50 anos que morava com a mulher e o filho em Trespostos, perto da localidade de Campelo. A família Pais não abandonou sua casa e luta sozinha contra as chamas com uma simples mangueira.

"Conhecia várias vítimas. Uma amiga perdeu a mãe e a filha de quatro anos porque não conseguiu retirá-las da parte de trás do carro", disse Isabel Ferreira, de 62 anos, habitante da região. A polícia determinou que uma tempestade seca provocou as chamas e descartou a possibilidade de incêndio criminoso.

Ajuda de outros países

Quatro aviões de combate ao incêndio da Espanha e três da França chegaram ao país no domingo para ajudar os bombeiros portugueses. Nesta segunda-feira devem chegar dois aviões espanhóis e dois italianos, assim como reforços terrestres, no âmbito do mecanismo europeu de proteção civil, ativado a pedido de Lisboa.

 

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.