Ouvir Baixar Podcast
  • 14h27 - 14h30 GMT
    Flash de notícias 20/11 14h27 GMT
  • 14h06 - 14h27 GMT
    Programa 20/11 14h06 GMT
  • 14h00 - 14h06 GMT
    Jornal 20/11 14h00 GMT
  • 08h30 - 08h36 GMT
    Jornal 20/11 08h30 GMT
  • 08h57 - 09h00 GMT
    Flash de notícias 19/11 08h57 GMT
  • 08h33 - 08h57 GMT
    Programa 19/11 08h33 GMT
  • 08h30 - 08h33 GMT
    Jornal 19/11 08h30 GMT
  • 08h36 - 08h57 GMT
    Programa 17/11 08h36 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Europa

Realocação de refugiados na Europa é "uma decepção", diz ONU

media Refugiado sírio em um acampamento improvisado para refugiados e migrantes na fronteira greco-macedônia perto da cidade de Idomeni, na Grécia, 16/03/16 REUTERS/Alkis Konstantinidis/File photo

O Alto Comissário da ONU para os Refugiados, Filippo Grandi, declarou nesta terça-feira (13) em Barcelona que a má aplicação do plano de realocação de 160 mil refugiados na União Europeia "tem sido uma decepção".

"Apenas alguns países da Europa, como Grécia e Itália, que estão na fronteira, Alemanha, Suécia e Áustria assumiram a maior parte da responsabilidade", disse Grandi na apresentação de uma campanha para os refugiados com o clube de futebol Barcelona.

"Se a Europa, uma união de países ricos, não é capaz de compartilhar a responsabilidade, como podemos pedir ao resto do mundo que acolham refugiados?", acrescentou, observando que, dos 65 milhões de refugiados e deslocados pelo mundo, quase 90% estão em países pobres.

Esse programa foi adotado em 2015, no auge da crise migratória na Europa e previa a realocação ao longo dos próximos dois anos de 160 mil refugiados da Grécia e da Itália para outros países da União Europeia.

"Está prestes a terminar, e menos de 20 mil foram realocados. Minha mensagem é para todos os países europeus: vocês têm mais dois meses para completar o programa", disse.

Está previsto que na quarta-feira (14) a Comissão Europeia adote medidas sobre o assunto e anuncie sanções contra três dos seus membros - Polônia, Hungria e República Checa - que não acolheram nenhum refugiado no ano passado.

"Seria muito melhor que a decisão fosse implementada voluntariamente pelos governos", afirmou Grandi, que espera que a situação melhore uma vez passado o ciclo eleitoral em muitos países europeus ameaçados pela ascensão da extrema direita como Holanda, França e Alemanha.
 

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.