Ouvir Baixar Podcast
  • 08h57 - 09h00 GMT
    Flash de notícias 16/12 08h57 GMT
  • 08h33 - 08h57 GMT
    Programa 16/12 08h33 GMT
  • 08h30 - 08h33 GMT
    Jornal 16/12 08h30 GMT
  • 14h27 - 14h30 GMT
    Flash de notícias 15/12 14h27 GMT
  • 14h06 - 14h27 GMT
    Programa 15/12 14h06 GMT
  • 14h00 - 14h06 GMT
    Jornal 15/12 14h00 GMT
  • 08h36 - 08h57 GMT
    Programa 15/12 08h36 GMT
  • 08h30 - 08h36 GMT
    Jornal 15/12 08h30 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Europa

Atentado de Manchester foi executado por homem-bomba

media Um homem-bomba detonou uma carga explosiva ao final de um show da cantora pop Ariana Grande em Manchester na segunda-feira (22) à noite. REUTERS/Andrew Yates

Pelo menos 22 pessoas morreram e 59 ficaram feridas em um atentado a bomba em Manchester, no Reino Unido, na noite de segunda-feira (22). A explosão ocorreu do lado de fora da maior arena da cidade, logo após um show da cantora americana Ariana Grande, e entre as vítimas estão vários adolescentes. O homem suspeito de ter realizado o ataque morreu na explosão.

Maria Luísa Cavalcanti, correspondente da RFI em Londres

O Reino Unido acordou em choque nesta terça-feira (23), diante das cenas de pânico e caos que se viu na noite de ontem na cidade de Manchester, a segunda maior do país. Segundo a polícia, um homem-bomba detonou um artefato caseiro por volta das 22h30, pelo horário local, quando cerca de 21 mil pessoas deixavam a Manchester Arena depois do show da cantora Ariana Grande. A explosão ocorreu no hall do prédio, perto da entrada de uma estação de trem.

A polícia, que já teria identificado o homem-bomba, ainda não divulgou sua identidade e disse que está investigando se o autor do ataque agiu por conta própria ou faz parte de alguma rede envolvida em atividades extremistas. Nesta manhã, um homem de 23 anos, suspeito de envolvimento no atentado, foi detido.

Trata-se do maior atentado já visto em Manchester e o segundo maior em solo britânico em tempos recentes, desde as explosões coordenadas no metrô de Londres, que deixaram 52 mortos, em 2005.

A primeira-ministra britânica, Theresa May, convocou para esta manhã uma reunião de emergência da chamada Comissão Cobra, que reúne membros do governo os serviços de inteligência do país. Em um comunicado divulgado durante a madrugada, May descreveu o ataque como “assustador” e disse que as autoridades estão trabalhando para esclarecer todos os detalhes da explosão.

Solidariedade da população

Durante a noite e na manhã desta terça-feira, vários moradores da região metropolitana de Manchester ofereceram suas casas para abrigar sobreviventes do ataque que vieram à cidade especialmente para o show. A polícia instalou um posto de apoio às vítimas em outro ginásio da cidade.

Pelo Twitter, a cantora Ariana Grande lamentou o atentado e disse estar arrasada.

O prefeito de Londres, Sadiq Khan, anunciou que a capital terá sua segurança reforçada nestes próximos dias.

Campanha eleitoral suspensa

O atentado ocorre a pouco mais de duas semanas das eleições gerais, marcadas para 8 de junho no país. Todos os partidos políticos anunciaram nesta terça-feira que suspenderam suas campanhas, por tempo indeterminado.

O líder do Partido Trabalhista, Jeremy Corbyn, afirmou ter conversado com a primeira-ministra, Theresa May, por telefone, e que os dois concordaram com a suspensão das campanhas. Corbyn descreveu o ataque como um “incidente terrível” e elogiou “a coragem e o profissionalismo” dos serviços de emergência.

O Partido Nacional Escocês, que planejava divulgar hoje o seu programa de governo, decidiu cancelar o evento. A líder do partido e primeira-ministra escocesa, Nicola Sturgeon, disse que o ataque foi uma “barbárie” e convocou uma reunião de emergência do governo escocês.

Os líderes dos demais partidos também expressaram seu repúdio ao ataque e apoio às vítimas e seus familiares.

Analistas dizem que ainda é cedo para avaliar o impacto do atentado na campanha, mas até a segunda-feira, as pesquisas de opinião indicavam uma diminuição acentuada da margem de votos entre o Partido Conservador, que continua na liderança, e o Partido Trabalhista.

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.