Ouvir Baixar Podcast
  • 09h30 - 09h33 GMT
    Jornal 18/06 09h30 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 23/06 09h30 GMT
  • 09h33 - 09h57 GMT
    Programa 18/06 09h33 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 23/06 09h36 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 23/06 09h57 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 23/06 15h00 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 23/06 15h06 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 23/06 15h27 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Europa

Suécia arquiva investigação por estupro contra Assange

media «Victoire!», a lancé vendredi après-midi le fondateur de WikiLeaks en apparaissant au balcon de l'ambassade de l’Equateur à Londres. REUTERS/Peter Nicholls

A Justiça da Suécia anunciou nesta sexta-feira (19) o arquivamento da investigação por estupro contra o fundador do WikiLeaks, Julian Assange. A decisão encerra uma saga judicial iniciada em 2010.

"A promotora Marianne Ny decidiu arquivar a investigação por suposto estupro contra Julian Assange", informou o Ministério Público da Suécia em um comunicado. As autoridades suecas tinham até esta sexta-feira para prorrogar ou não o pedido de prisão em um tribunal de Estocolmo. A decisão será explicada mais tarde em coletiva de imprensa.

O arquivamento da investigação é uma vitória para o ex-hacker australiano, que sempre negou as acusações apresentadas contra ele por uma mulher sueca, em agosto de 2010.

Refugiado em Londres

Assange está refugiado desde junho de 2012 na embaixada dos Equador em Londres, onde buscou ajuda para escapar de uma extradição à Suécia depois de esgotar todos os recursos judiciais no Reino Unido.

O australiano sempre denunciou uma manobra para ser extraditado posteriormente aos Estados Unidos, onde poderia ser julgado pela divulgação de documentos militares e diplomáticos americanos de caráter confidencial.

Em novembro do ano passado, após uma série de complicações no processo, o hacker australiano finalmente foi interrogado na embaixada de Londres por um promotor equatoriano e na presença de magistrados suecos. Na ocasião, ele enfatizou sua inocência e declarou que as relações sexuais com a mulher sueca foram consensuais.

(Com informações da AFP)

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.