Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 17/06 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 17/06 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 17/06 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 17/06 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 17/06 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 17/06 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 16/06 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 16/06 15h06 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Europa

Eleição regional na Alemanha é teste para chanceler Angela Merkel

media Alemanha: Angela Merkel em comício a favor da CDU.

A quatro meses das eleições legislativas alemães, a União Democrata Cristã (CDU), partido conservador de Angela Merkel, segue com interesse neste domingo (7) os resultados das eleições regionais no norte da Alemanha.

Os habitantes do estado federal de Schleswig-Holstein, no extremo norte do país, às margens dos mares Norte e Báltico, votam hoje para renovar o seu Parlamento até então sob controle do Partido Social-democrata Alemão (SPD), principal rival do CDU na política alemã.

A região Schleswig-Holstein, de economia agrícola, representa, com 2,3 milhões de pessoas, menos de 3% da população alemã. O resultado das eleições, porém, é seguido de perto, pois se tratam das penúltimas eleições antes das legislativas de 24 de setembro, quando a chanceler Angela Merkel lutará por um quarto mandato.

“Reviravolta”

De acordo com a última pesquisa da televisão pública ZDF, os sociais-democratas são apontados com 29% das intenções de votos, contra 32% para os democratas-cristãos de Merkel. O SPD perderia assim a direção do governo regional, sobretudo porque os resultados obtidos pelas demais formações deixariam pouca margem de manobra para a formação de uma coalizão.

A derrota do SPD seria uma "reviravolta" em favor de Angela Merkel, estimou o jornal Die Welt.

"Seria a primeira vez, desde a sua chegada à chancelaria em 2005, que a CDU reconquistaria um dos muitos estados regionais perdidos durante este período", indica.

Seria um novo golpe para o SPD, que havia recuperado as esperanças com a chegada à frente do partido no início deste ano do ex-presidente do Parlamento Europeu, Martin Schulz.

Novo na cena política alemã, Schulz inicialmente permitiu um retorno de seu movimento ao centro da política, aparecendo empatado com os conservadores nas pesquisas.

Mas essa "Schulzmania", também ligada ao seu programa de ruptura, muito aclamado pela esquerda em questões sociais, desmoronou nas últimas semanas: o SPD perdeu a eleição regional em Saarland no final de março e sofre um declínio de 8 pontos em todo o país, de acordo com o último levantamento da Stern e RTL, com 28% das intenções de voto contra 36% da CDU.

Após Schleswig-Holstein, o próximo teste para os sociais-democratas será no domingo (14 de maio) no seu reduto da Renânia do Norte-Vestfália, estado mais populoso do país, dirigido pelos sociais-democratas quase sem interrupção há meio século.
 

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.