Ouvir Baixar Podcast
  • 14h27 - 14h30 GMT
    Flash de notícias 12/11 14h27 GMT
  • 14h06 - 14h27 GMT
    Programa 12/11 14h06 GMT
  • 14h00 - 14h06 GMT
    Jornal 12/11 14h00 GMT
  • 08h57 - 09h00 GMT
    Flash de notícias 12/11 08h57 GMT
  • 08h36 - 08h57 GMT
    Programa 12/11 08h36 GMT
  • 08h30 - 08h36 GMT
    Jornal 12/11 08h30 GMT
  • 08h33 - 08h57 GMT
    Programa 11/11 08h33 GMT
  • 08h30 - 08h33 GMT
    Jornal 11/11 08h30 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Europa

Jornal "El País" divulga vídeo de defensor da eutanásia se suicidando

media José Antonio Arrabal López, antes do suicídio Reprodução/El País

O jornal El País divulgou nesta quinta-feira (6) um vídeo em que um espanhol com uma doença degenerativa e que lutava para a legalização do suicídio assistido ingere um coquetel de medicamentos, que horas depois causou sua morte.

"Se você está vendo este vídeo, é porque consegui ser livre", afirma José Antonio Arrabal López, 58, casado e com dois filhos, no início da gravação de pouco mais de dois minutos divulgada no portal do jornal.

"Já não posso nem levantar da cama nem deitar. Não posso me virar nem me vestir. Não posso me despir, não posso me limpar. Já não posso comer sozinho", explica José, sentado em uma cadeira e com dificuldade para falar.

O jornal mostra como o homem pega uma garrafa de plástico que contém a substância que causará sua morte e deixa apenas o áudio da ingestão em uma tela negra. Segundo a publicação,  Arrabal López tirou a própria vida no domingo com medicamentos comprados na internet, enquanto sua família não estava em casa, e gravou o procedimento sozinho para não envolver ninguém.

O código penal espanhol pune com prisão quem for considerado culpado de cooperar ou de induzir ao suicídio. Arrabal López foi diagnosticado em 2015 com esclerose lateral amiotrófica (ELA ou doença de Lou Gehrig), que vai paralisando a musculatura voluntária, o que, a seu ver, equivaleu a "uma sentença de morte".

Clandestinidade

Se na Espanha fosse legal o suicídio assistido, afirma no vídeo, "aqui haveria um médico que me teria receitado a medicação, e eu a tomaria e morreria serenamente".

"Parece indigno que uma pessoa tenha que morrer sozinha e na clandestinidade", afirma ainda.
O homem decidiu acabar com a própria vida quando ainda tinha mobilidade para fazê-lo e evitar um processo contra sua família, assinalou o jornal, que o entrevistou em divertas ocasiões.

Arrabal López lançou há seis meses uma petição no site Change.org para que a Espanha despenalize o suicídio assistido e a eutanásia, que até esta quinta-feira conseguiu reunir 10.500 assinaturas.

O Congresso espanhol aceitou em março debater uma lei de morte digna, para permitir, por exemplo, que um doente terminal rejeite um tratamento para prolongar sua vida, mas descartou outra proposta de lei para regularizar a eutanásia.

A eutanásia é aceita por lei em apenas três países europeus, Holanda, Bélgica e Luxemburgo. A Suíça legalizou o suicídio assistido.
 

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.