Ouvir Baixar Podcast
  • 09h30 - 09h33 GMT
    Jornal 22/07 09h30 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 21/07 09h30 GMT
  • 09h33 - 09h57 GMT
    Programa 22/07 09h33 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 21/07 09h36 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 22/07 09h57 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 22/07 15h00 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 22/07 15h06 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 22/07 15h27 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Europa

Premiê britânica diz que Escócia está "obcecada" por independência

media A primeira-ministra britânica, Theresa May, durante fórum do Partido Conservador em cardiff, nesta sexta-feira (17). REUTERS/Rebecca Naden

A primeira-ministra britânica, Theresa May, denunciou nesta sexta-feira (17) uma "busca obcecada" da Escócia por se tornar independente do Reino Unido. Em Cardiff, no País de Gales, onde o Partido Conservador realiza um encontro, a dirigente conservadora defendeu a "união preciosa" de todos os britânicos.

Em seu discurso no Fórum do Partido Conservador, May não poupou críticas ao Partido Nacional Escocês (SNP), que governa a Escócia. "Está claro que o único objetivo do SNP é utilizar o Brexit como pretexto para organizar um segundo referendo sobre a independência", disse, ao classificar a atitude dos nacionalistas escoceses como "busca obcecada".

Na segunda-feira, a chefe do governo regional escocês, Nicola Sturgeon, anunciou que solicitará permissão ao Parlamento regional para convocar um novo referendo de independência do Reino Unido.

Em 2014, Edimburgo realizou uma consulta similar, mas 55% dos escoceses optaram por permanecer no Reino Unido. No entanto, após a decisão dos britânicos pela saída da União Europeia no ano passado, o apoio à independência da Escócia aumentou, o que incita o governo a realizar uma nova consulta.

May subestima intenção do governo escocês

O anúncio de Sturgeon irritou a primeira-ministra britânica, no momento em que o Reino Unido entra na reta final do processo para formalizar sua saída da União Europeia. Na quinta-feira (16), May subestimou a intenção da Escócia e declarou que esse "não é o melhor momento" para organizar a consulta.

Em resposta, o chefe dos deputados do SNP no Parlamento britânico, Angus Robertson, acusou a premiê de "arrogante". "Que não haja dúvidas sobre isso, a Escócia fará seu referendo e os habitantes poderão escolher", disse.

Programa ambicioso para o Reino Unido

Em Cardiff, a premiê também defendeu "um programa ambicioso" no plano social e econômico para o Reino Unido. Segundo ela, o Brexit trará um "futuro melhor" para os britânicos.

Militantes conversadores saudaram o discuro de May e seu apelo por união nacional, exprimindo sua impaciência para o início do processo de saída do Reino Unido da União Europeia. "Temos bons argumentos para negociar, prioridades claras e podemos obter o que quisermos", declarou um afiliado ao Partido Conservador, Lewis Nicholas.

Mas analistas discordam do tom otimista. "A posição de May é muito mais fraca do que apontam as pesquisas", avalia Tony Travers, professor de Ciências Políticas na London School of Economics. Segundo ele, se a premiê ainda reúne 20% de popularidade é devido ao racha no principal partido de oposição, o Partido Trabalhista.

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.