Ouvir Baixar Podcast
  • 09h30 - 09h33 GMT
    Jornal 23/04 09h30 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 24/04 09h30 GMT
  • 09h33 - 09h57 GMT
    Programa 23/04 09h33 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 24/04 09h36 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 24/04 09h57 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 24/04 15h00 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 24/04 15h06 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 24/04 15h27 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Europa

Hungria terminará segundo muro contra migrantes em maio

media Em 2015, a Hungria construiu uma cerca para barrar a chegada de migrantes ao país. REUTERS/Laszlo Balogh

O primeiro-ministro húngaro, Viktor Orban, anunciou nesta sexta-feira (17) que a segunda barreira para evitar que migrantes entrem no país será concluída em maio. A primeira cerca foi construída em agosto de 2015 ao longo dos 175 quilômetros de fronteira entre a Hungria e a Sérvia.

O governo húngaro considera que a primeira barreira não é eficaz para evitar a passagem de migrantes que chegam ao país vindos da Sérvia. Recentemente, o eurodeputado György Schöpflin defendeu que "o reforço na segurança" também pode contribuir para "enfraquecer o modelo de negócio dos traficantes de pessoas".

Ao anunciar a previsão para a finalização da segunda cerca, Orban também criticou o acordo entre a União Europeia e a Turquia para conter a imigração nos países do bloco. Recentemente, a tensão aumentou entre a Turquia, a Holanda e a Alemanha, e Ancara ameaçou as lideranças europeias de desonrar o compromisso. "Não é muito inteligente ter deixado nossa segurança nas mãos dos turcos (...) e criar conflito com eles, acusando-os de não serem democratas", disse Orban.

Políticas duras contra migrantes

O governo radical do primeiro-ministro é um dos mais duros contra os migrantes. Em agosto de 2015, o país construiu a primeira cerca de arame farpado, atraindo críticas de dirigentes da União Europeia e ONGs de defesa de direitos humanos de todo o mundo. Budapeste também foi criticada pelo tratamento desumano dado aos migrantes, confinados em acampamentos formados ao longo de suas fronteiras em condições insalubres e muitas vezes alvo de violências policiais.

Há dez dias, o Parlamento adotou a reintrodução na legislação do país da detenção sistemática das pessoas que entrarem ilegalmente em território húngaro. A Hungria que já tinha aprovado esta medida em 2013, no início da crise migratória na Europa. Mas o país acabou por desistir da aplicação da lei por pressão da União Europeia, do Alto Comissariado da ONU para os Refugiados e do Tribunal Europeu dos Direitos Humanos.

A nova lei prevê que os migrantes sejam colocados em "zonas de trânsito" nas fronteiras com a Sérvia e a Croácia, onde deverão fazer um pedido de asilo e aguardar a decisão final das autoridades húngaras. A medida diz respeito tanto aos migrantes que chegaram ao país após a aprovação da lei, quanto àqueles que já se encontram na Hungria.

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.