Ouvir Baixar Podcast
  • 14h27 - 14h30 GMT
    Flash de notícias 17/10 14h27 GMT
  • 14h06 - 14h27 GMT
    Programa 17/10 14h06 GMT
  • 14h00 - 14h06 GMT
    Jornal 17/10 14h00 GMT
  • 08h57 - 09h00 GMT
    Flash de notícias 17/10 08h57 GMT
  • 08h36 - 08h57 GMT
    Programa 17/10 08h36 GMT
  • 08h30 - 08h36 GMT
    Jornal 17/10 08h30 GMT
  • 08h33 - 08h57 GMT
    Programa 15/10 08h33 GMT
  • 08h30 - 08h33 GMT
    Jornal 15/10 08h30 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Europa

Ataque hacker pró-Erdogan atinge sites e contas Twitter na Europa

media O presidente turco Recep Tayyp Erdogan durante um discurso nesta terça-feira Murat Cetinmuhurdar/Presidential Palace/Handout via REUTERS

Nesta quarta-feira (15), hackers pró-Erdogan piratearem centenas de contas oficiais no Twitter com uma mensagem fazendo referência à acusação de nazismo por parte da Alemanha e Holanda.  

A crise entre a Turquia e a Europa se agrava depois da proibição de campanhas a favor do presidente turco Recep Tayyp Erdogan em países como a Holanda e a Alemanha. Entre as contas Twitter hackeadas estão a da Anistia Internacional, do Ministério da Economia da França e da BBC americana. Com menos de 140 caracteres, alguns emoticons e uma suástica, os piratas postaram #Alemanhanazi e #Holandanazi.

A mensagem é acompanhada de um vídeo com trechos de discursos do presidente Recep Tayyp Erdogan, atualmente em plena campanha para obter um reforço duvidoso dos seus poderes, em um referendo que acontecerá no próximo dia 16 de abril.

Reproduções de telas dos sites do ex-primeiro-ministro francês Alain Juppé, do ex-campeão de tênis alemão, Boris Becker, ou do clube de futebol alemão Borussia Dortmund também foram reproduzidas. O site do Parlamento Europeu também foi pirateado. A instituição foi visada porque se "preocupa constantemente com a situação na Turquia e divulga comunicados sobre o caso com frequência".

Represália à proibição

O ataque é uma represália à decisão da Alemanha, Holanda, Suíça e Áustria, que impediram que o chanceler turco e a ministra da Família, Fatma Betul Sayan Kaya, fizessem campanha pró-Erdogan para as comunidades turcas de seus países. Erdogan acusou no fim de semana a Holanda e Alemanha de nazistas e fascistas.

Na contracorrente, a França permitiu que o ministro das Relações Exteriores turco, Mevlut Cavusoglu, fizesse um comício na cidade de Metz, no leste do país.
 

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.