Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 23/02 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 23/02 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 23/02 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 23/02 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 23/02 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 23/02 09h30 GMT
  • 09h33 - 09h57 GMT
    Programa 18/02 09h33 GMT
  • 09h30 - 09h33 GMT
    Jornal 18/02 09h30 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Europa

Itália resgata últimos corpos de vítimas da avalanche: 29 mortos

media As operações de busca no hotel soterrado por uma avalanche no dia 18 de janeiro no centro da Itália terminaram após a descoberta dos últimos corpos. Soccorso Alpino Speleologico Lazio/Handout via REUTERS

A Itália anunciou ter retirado nesta quinta-feira (26) os dois últimos corpos dos escombros do hotel Rigopiano, atingido por uma avalanche na quarta-feira da semana passada (18), na localidade de Farindola, na região central do país.  

O balanço final da tragédia é de 29 mortos e 11 sobreviventes. Quinze homens e catorze mulheres morreram na avalanche. A maior parte dos corpos, segundo a imprensa italiana, foi encontrada no bar do hotel, amontoada em meio a troncos de árvores, placas de cimento e barras de ferro arrastadas pela neve.

No momento do drama, clientes e funcionários aguardavam há várias horas no bar a chegada de caminhões limpa-neve para voltar para casa, depois dos tremores de terra que atingiram a região na véspera e também as nevascas, que tornavam o esqui impraticável. Mas por causa dos terremotos e da neve, os equipamentos de limpeza não conseguiram chegar a Farindola.

A justiça italiana abriu uma investigação por homicídios involuntários para determinar se a catástrofe no hotel Rigopiano poderia ter sido evitada e também se houve falhas nas primeiras horas das buscas, que podem ter custado a vida de algumas pessoas.

Autópsias já realizadas em seis corpos constaram que as mortes ocorreram por asfixia e não por hipotermia provocada por uma demora no resgate. Duzentos bombeiros trabalharam dia e noite durante nas buscas, o tempo todo ameaçados por uma nova avalanche.

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.