Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 16/10 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 16/10 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 16/10 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 16/10 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 16/10 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 16/10 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 15/10 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 15/10 15h06 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Europa

Bruxelas propõe autorização prévia para turistas que não precisam de visto

media Proposta europeia pede autorização prévia para visitantes ao bloco europeu. Flickr

O brasileiro que quiser visitar países da União Europeia poderá ter de pagar por uma autorização válida por cinco anos a partir de 2020. A regra se aplica para cidadãos de países que atualmente não precisam de visto. A proposta foi anunciada nesta quarta-feira (16), pela Comissão Europeia.

Inspirado em um dispositivo em vigor nos Estados Unidos, o sistema europeu, batizado de ETIAS, foi apresentado como um instrumento de segurança para as fronteiras exteriores do bloco, ao identificar indivíduos de risco antes da chegada destes ao território. O Canadá e o Japão também adotam um procedimento de autorização prévia para estrangeiros.

Os cidadãos atualmente isentos de vistos como os procedentes dos Estados Unidos, Canadá, Japão, quase todas as nações latino-americanas - excetuando-se Bolívia, Equador e Cuba - deverão solicitar essa autorização para circular pelos 22 países da UE dentro do espaço Schengen, assim como a Islândia, Noruega, Suíça e Liechtenstein.

Cruzamento de dados

Esse mecanismo "corrigirá um vazio ao verificar e cruzar os dados relativos aos candidatos isentos de visto com os presentes em nossos sistemas", defendeu o primeiro vice-presidente do executivo comunitário, Frans Timmermans, para quem será um sistema "simples, rápido, barato e eficaz". As informações dos pedidos serão comparados aos de outras bases europeias, como o sistema Schengen e o da Europol, identificando potenciais imigrantes irregulares ou pessoas que possam ameaçar a segurança.

A proposta deverá ser adotada pelo Conselho Europeu (representando os Estados membros) e pelo Parlamento Europeu. Em caso de sinal verde, a Comissão calcula que o sistema será operacional a partir de 2020.

 

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.