Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 14/11 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 14/11 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 14/11 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 14/11 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 14/11 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 14/11 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 13/11 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 13/11 15h06 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Europa

Trio de britânicos vence Nobel de Física

media Prêmio Nobel de Física para David J. Thouless, F. Duncan M. Haldane e J. Michael Kosterlitz JONATHAN NACKSTRAND / AFP

Os britânicos David Thouless, F. Duncan Haldane e J. Michael Kosterlitz são os laureados do prêmio Nobel de Física desde ano, anunciou o Comitê da Fundação Sueca.

Os três cientistas foram recompensados pelas suas pesquisas sobre a matéria. “As descobertas permitiram avanços na compreensão teórica dos mistérios da matéria e criaram novas perspectivas para o desenvolvimento de novos materiais”, destacou o comunicado divulgado pelo comitê.

Thouless, 82 anos, nasceu na Escócia e é professor da universidade de Washington em Seattle, nos Estados Unidos. Ele receberá uma recompensa pelo prêmio é de € 417.000, cerca de R$ 1,6 milhão, que corresponde à metade do valor do prêmio.

A outra metade será dividida entre Haldane, 65 anos, nascido em Londres, professor na Universidade de Princeton, em New Jersey, e Kosterlitz, que nasceu na Escócia em 1942, e leciona na Universidade Brown, em Rhode Island. Ambos foram recompensados pelas descobertas teóricas das "transições da fase topológica às fases topológicas da matéria”, explicaram os jurados.

“Os laureados deste ano abriram a possibilidade de compreender a passagem da matéria para estados “estranhos”, em um mundo desconhecido, empregando métodos matemáticos avançados, que permitiram estudar fases ou estados inabituais da matéria, como supercondutores, superfluidos ou filmes magnéticos”, diz o comunicado.

Os resultados poderão ser utilizados na ciência dos materiais e na eletrônica. Em 2015, o prêmio foi atribuído ao japonês Takaaki Kajita e ao canadense Canadien Arthur McDonald,por estabelecer que os neutrinos, partículas elementares, tinham uma massa.

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.