Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 18/06 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 18/06 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 18/06 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 18/06 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 18/06 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 18/06 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 17/06 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 17/06 15h06 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Europa

Migrantes fazem marcha rumo à Hungria para entrar na UE

media Migrantes avançam em plena estrada rumo a fronteira com a Hungria REUTERS/Marko Djurica

Mais de 300 migrantes iniciaram nesta terça-feira (4) uma marcha de Belgrado em direção à fronteira húngara com a esperança de ingressar na União Europeia (UE). O movimento começou dois dias depois da realização de um referendo anti-imigração na Hungria, invalidado por falta de quórum.

O grupo, escoltado pela polícia, chegou na tarde desta terça-feira a Zemun, a noroeste de Belgrado. Antes, eles protestaram brevemente no centro de Belgrado contra as medidas anti-imigrantes da Hungria, e pediram para entrar livremente em território da UE. “Precisamos de água e alimentos, pedimos que as fronteiras sejam abertas", afirmava um cartaz.

O número de migrantes bloqueados na Sérvia aumentou desde que a Hungria adotou em julho uma lei que permite devolver à fronteira os clandestinos detidos em um raio de 8 km em seu território. Segundo a ONU, mais de 5.500 pessoas estão atualmente bloqueadas na Sérvia, que tem uma capacidade de acolhida para entre 6.000 e 7.000 pessoas.

O presidente sérvio, Tomislav Nikolic, expressou na segunda-feira (3) sua preocupação pela situação e se referiu à necessidade de "fechar a fronteira aos migrantes" se eles continuarem chegando à Sérvia sem a possibilidade de prosseguir seu caminho em direção à Europa Ocidental.

Premiê húngaro recusa receber migrantes

A Hungria organizou no fim de semana um referendo sobre a política europeia de distribuição dos migrantes no bloco. O primeiro-ministro húngaro Viktor Orban, contrário ao plano lançado por Bruxelas, que impõe um sistema de quotas de acolhimento para cada país do grupo, buscava o apoio da população sobre o tema.

O premiê obteve a esmagadora maioria de 98,3% dos eleitores que foram votar. No entanto, com uma quota de participação de 39,8% dos oito milhões de inscritos, o resultado da consulta foi invalidado.

Mesmo assim, o chefe do governo pretende continuar bloqueando as entradas no país. "Já que 98% votaram 'Não' à imposição para realocar os migrantes, o resultado do referendo precisa ser desenvolvido como lei", disse o primeiro-ministro à imprensa em Budapeste nesta terça-feira (4).

Ele sustenta que o resultado, mesmo sem quórum, reflete o amplo apoio dos eleitores a sua política, segundo a qual cabe aos húngaros "o direito de decidir" em matéria de política migratória.

Realocação de migrantes não é respeitada

No ano passado, os países da UE aprovaram redistribuir os 160 mil solicitantes de asilo que chegaram ao bloco, muitos deles deslocados de conflitos como o da Síria. No entanto, na prática, o dispositivo quase não é implementado. Apenas alguns milhares de refugiados que chegaram, principalmente na Grécia, foram realocados em outros países de acolhida.

 

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.