Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 20/09 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 20/09 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 20/09 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 20/09 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 20/09 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 20/09 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 19/09 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 19/09 15h06 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Europa

ETA pede a Espanha e França um acordo de paz como o da Colômbia

media Manifestação pela libertação de prisioneiros bascos em Bilbao, janeiro de 2016. ANDER GILLENEA / AFP

A organização separatista armada basca ETA lamentou nesta terça-feira (27) que Espanha e França não tenham alcançado com o grupo um acordo de paz, como o que acaba de ser assinado na Colômbia entre o governo e a guerrilha das Farc.

Em um comunicado publicado em basco no jornal Gara, o ETA considera que os governos francês e espanhol demonstraram uma atitude "mais que pobre", que contrasta com a conclusão do processo de paz da Colômbia, que acaba com mais de 50 anos de conflito.

O dia 20 de outubro vai marcar o quinto aniversário desde que o ETA anunciou que renunciava definitivamente à luta armada, depois de 40 anos de atentados, sequestros e campanhas de extorsão, que provocaram as mortes de 829 pessoas.

A organização armada aproveitou a oportunidade para reafirmar a decisão de 2011 de buscar a independência de maneira pacífica, ao ressaltar que esta via é "o único norte da militância do ETA".

Neste sentido, pede a seus partidários "paciência estratégica", já que "a fragilidade política daqueles que negam nossa condição de nação e o direito a decidir dos cidadãos bascos é cada vez mais evidente".

Madri e Paris insistem que a organização deve ser dissolvida e entregar as armas. Mas o ETA deseja negociar uma anistia ou, pelo menos, uma medida para reagrupar os presos espalhados pelas penitenciárias dos dois países, uma questão que deve ser tratada "com a urgência que merece", afirma o comunicado divulgado nesta terça-feira.

368 prisioneiros

De acordo com o grupo Etxerat, atualmente há 368 prisioneiros "políticos" bascos. Do total, três estão detidos no País Basco, 281 dispersados em 42 prisões da Espanha, 79 em 24 prisões na França, um em Portugal, outro na Suíça e três em detenção domiciliar por motivos humanitários.

O comunicado foi divulgado dois dias depois das eleições regionais no País Basco, vencidas com grande maioria pelos dois partidos nacionalistas, o Partido Nacionalista Basco (PNV), que pede mais autonomia em relação a Madri mas não a independência, e o EH Bildu, separatista.

Os socialistas do PSOE e o conservador Partido Popular (PP) ficaram longe, na quarta e quinta posição, respectivamente. O terceiro mais votado foi o partido de esquerda Podemos, que defende a convocação de um referendo sobre a independência da região. A publicação do texto coincide com o aniversário das últimas execuções realizadas em 1975 pela ditadura de Francisco Franco.

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.