Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 22/07 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 22/07 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 22/07 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 22/07 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 22/07 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 22/07 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 21/07 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 21/07 15h06 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Últimas notícias
  • Boris Johnson é o novo primeiro-ministro do Reino Unido
Europa

Justiça sueca mantém mandado de prisão contra Assange

media O fundador do WikiLeaks, o australiano Julian Assange, está refugiado na embaixada do Equador em Londres, desde 2012. REUTERS/Paul Hackett/FilesSEARCH

A justiça da Suécia manteve nesta sexta-feira (16) o mandado de prisão europeu contra o fundador do WikiLeaks, o australiano Julian Assange, no inquérito em que é acusado de assédio sexual, coação e estupro. As acusações pesam sobre ele desde 2010.

O tribunal de apelação de Estocolmo anunciou em um comunicado que Assange, refugiado desde 2012 na embaixada do Equador em Londres, seguirá "detido in absentia", considerando que o australiano "ainda é suspeito de estupro" e de que existe o "risco de que escape de um processo judicial ou de uma condenação".

O ex-hacker nega firmemente as alegações contra ele, denunciando uma manobra de Washington. Assange e sua defesa pedem que o mandado de detenção seja retirado, ao considerar que, se for executada, ele será extraditado aos Estados Unidos para ser julgado pela divulgação de centenas de milhares de documentos secretos através do WikiLeaks.

Esta foi a oitava vez em seis anos que um tribunal sueco rejeitou um recurso de Assange para evitar a extradição do Reino Unido à Suécia. A decisão do tribunal de apelação de Estocolmo pode ser recorrida, por sua vez, ante o Supremo Tribunal da Suécia, se ele aceitar tramitá-lo.

(Com informações da AFP)

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.