Ouvir Baixar Podcast
  • 14h27 - 14h30 GMT
    Flash de notícias 10/12 14h27 GMT
  • 14h06 - 14h27 GMT
    Programa 10/12 14h06 GMT
  • 14h00 - 14h06 GMT
    Jornal 10/12 14h00 GMT
  • 08h57 - 09h00 GMT
    Flash de notícias 10/12 08h57 GMT
  • 08h33 - 08h57 GMT
    Programa 10/12 08h33 GMT
  • 08h30 - 08h33 GMT
    Jornal 10/12 08h30 GMT
  • 08h36 - 08h57 GMT
    Programa 08/12 08h36 GMT
  • 08h30 - 08h36 GMT
    Jornal 08/12 08h30 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Europa

Noruega vai construir cerca para conter refugiados

media Refugiados na fronteira da Noruega com a Rússia REUTERS/Cornelius Poppe/NTB Scanpix/File Photo

A Noruega vai construir uma cerca de aço de 200 m de comprimento e 3,5 m de altura na fronteira com a Rússia, na região do Ártico, para frear a grande quantidade de migrantes que têm usado o local para entrar no país escandinavo. Grupos de defesa dos direitos dos refugiados criticaram a decisão.

O governo da Noruega diz que a barreira é necessária para aumentar a segurança no local limítrofe do Espaço Schegen, que permite a livre circulação de pessoas dentro dos países signatários, sem a necessidade de apresentação de passaporte nas fronteiras. A Rússia não faz parte desse grupo.

Durante décadas, os países nórdicos tiveram a imagem de um porto seguro para os solicitantes de asilo. Mas a construção dessa cerca no local por onde passaram cerca de 5.500 migrantes, principalmente sírios, no ano passado, reflete uma guinada radical nas ações públicas contra os refugiados.

Isso também está acontecendo na Suécia, que já foi considerada uma "superpotência humanitária", mas instalou este ano controles nas fronteiras e endureceu as regras para os refugiados.

Eco da Guerra Fria

Grupos de defesas dos refugiados e políticos da oposição dizem que a cerca vai impedir a entrada no país de pessoas que fogem de perseguição. Além disso, eles chamam a ação de "eco da Guerra Fria", em uma região onde as relações têm sido boas desde o colapso da União Soviética em 1991.

A cerca será terminada nas próximas semanas, antes de o inverno glacial começar, para tornar mais difícil a passagem pela floresta. Atualmente os trabalhadores estão preparando o terreno, retirando velhas barreiras de madeira construídas para controlar as rebanhos de renas.

"A cerca e o portão são medidas responsáveis", contou à agência Reuters o ministro da Justiça, Ove Vanebo. Porém, até este ano, ninguém buscou asilo por meio da fronteira norte, de acordo com a Direção Norueguesa de Imigração.

"Não vejo necessidade para uma cerca. Há cercas demais sendo construídas na Europa atualmente, como a da Hungria", afirmou Rune Rafaelsen, governador da região de Soer-Varanger, que inclui essa fronteira.

"Cerca é retrocesso"

A Rússia mantém uma cerca de 196 km de comprimento com a Noruega, membro da Otan, mas a vários quilômetros da fronteira. Até agora o país não reclamou do plano da Noruega de construir uma cerca.

Mas Rafaelsen, do Partido Trabalhista (oposição), disse que a região havia feito um grande progresso nas relações com a Rússia desde o fim da Guerra Fria e considera a cerca um retrocesso.

"Temos a obrigação de ser um país para o qual as pessoas possam fugir," disse Linn Landro, do grupo norueguês Refugees Welcome. "A cerca envia um sinal negativo, inclusive para a Rússia, dizendo 'não confiamos em vocês'."

Noruegueses e russos da região podem passar a fronteira sem necessidade de visto para viagens curtas. Cerca de 250 mil pessoas atravessaram o local no ano passado, uma redução em comparação aos anos anteriores, mas bem mais que os 5 mil da época da Guerra Fria.

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.