Ouvir Baixar Podcast
  • 14h27 - 14h30 GMT
    Flash de notícias 18/11 14h27 GMT
  • 14h06 - 14h27 GMT
    Programa 18/11 14h06 GMT
  • 14h00 - 14h06 GMT
    Jornal 18/11 14h00 GMT
  • 08h57 - 09h00 GMT
    Flash de notícias 18/11 08h57 GMT
  • 08h33 - 08h57 GMT
    Programa 18/11 08h33 GMT
  • 08h30 - 08h33 GMT
    Jornal 18/11 08h30 GMT
  • 08h36 - 08h57 GMT
    Programa 16/11 08h36 GMT
  • 08h30 - 08h36 GMT
    Jornal 16/11 08h30 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Europa

Três mil bombeiros combatem uma centena de incêndios florestais em Portugal

media Bombeiro combate incêndio florestal em Bustelo, norte de Portugal. AFP/Miguel Riopa

Depois de atingir o norte de Portugal, os incêndios florestais se estendem nesta terça-feira (9) à ilha da Madeira e à região sul do país. Durante a madrugada, bombeiros evacuaram 300 pessoas nas proximidades de Funchal, onde casas e fábricas foram destruídas pelo fogo, sem causar vítimas. Os incêndios na ilha da Madeira levaram o poder executivo da ilha a ativar o Plano de Contingência Regional.

Em Silves, no sul de Portugal, o fogo levou à remoção de 50 pessoas de suas casas. Dois focos registrados nos distritos de Faro e Beja foram rapidamente debelados.

A região norte do país continua a mais afetada pelos incêndios. Os focos mais preocupantes estão nas matas e florestas no entorno de Aveiro, Braga, Guarda, Viana do Castelo, Viseu, Porto e Leiria. Mas até a capital, Lisboa, amanheceu hoje com o céu escurecido por uma camada de fumaça.

Segundo balanço das autoridades, na manhã desta terça-feira cerca de 3 mil bombeiros atuavam no combate a 108 focos de incêndio em todo o território português. Os esforços envolvem mais de 900 caminhões de bombeiros e aviões, que despejam água para limitar a propagação das chamas. Os ventos fortes e as temperaturas elevadas, entre 35°C e 40°C, dependendo da região, espalham dificultam o combate ao fogo.

O Secretário de Estado da Administração Interna de Portugal admite que “não é aceitável o número de incêndios que os bombeiros combatem diariamente no país durante o verão”. Só na segunda-feira, foram registrados quase 400 focos de fogo em todo o país.

Segundo especialistas, há décadas, Portugal enfrenta um problema crônico de falta de gestão das matas e do espaço rural. Esta situação favorece os incêndios no alto verão.

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.