Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 24/06 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 24/06 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 24/06 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 24/06 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 24/06 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 24/06 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 23/06 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 23/06 15h06 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Europa

Papa reza em silêncio pelas vítimas do extermínio nazista em Auschwitz

media O papa Francisco prestou uma emocionada homenagem às vítimas do nazismo com uma visita nesta sexta-feira ao campo de concentração de Auschwitz. Osservatore Romano/Handout via Reuters

O papa Francisco visitou nesta sexta-feira (29) os campos de concentração nazista de Auschwitz e Birkenau, na Polônia, país para onde viajou para participar da Jornada Mundial da Juventude. No total, o sumo pontífice passou uma hora e trinta minutos no local, rezando em silêncio.

Geneviève Delrue, enviada especial da RFI à Polônia

Um silêncio intenso, mais denso que um discurso: foi dessa forma que o Sumo Pontífice visitou o local onde morreram um milhão de judeus de toda a Europa, além de cem mil poloneses e ciganos. Com uma expressão fechada, ele atravessou o portão que exibe a mensagem "Arbeit Macht Frei" ("O trabalho liberta", em português), sentou-se em um banco e rezou.

No "muro da morte", onde foram executados milhares de prisioneiros, o papa Francisco colocou sua mão, se recolheu e acendeu uma vela. Depois, na cela do santo polonês Maximilien Kolbé, o padre que ofereceu sua vida para salvar um pai de família, o Santo Padre passou cinco minutos em silêncio.

No campo de Birkenau, o sumo pontífice deu sequência à silenciosa visita, demonstrando que os vestígios dos fornos crematórios exigiam apenas oração e reflexão.

Depois do recolhimento, Francisco encontrou um grupo de sobreviventes do extermínio. Entre os presentes, estava o violinista Henela Niwiska, de 101 anos. A visita também contou com a participação de uma delegação da comunidade judaica polonesa de 30 pessoas, assim como com a primeira-ministra polonesa Beata Szydlo.

Essa foi a terceira vez que um papa visitou o local, símbolo dos horrores do nazismo. Antes dele, estiveram em Auschwitz-Birkenau João Paulo II, em 1979, e Bento XVI, em 2006.

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.