Ouvir Baixar Podcast
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 22/05 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 22/05 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 22/05 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 21/05 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 21/05 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 21/05 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 21/05 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 21/05 09h36 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Europa

Líderes europeus vão tentar acelerar saída do Reino Unido da UE

media A bandeira da União Europeia na frente do City Hall, em Londres LEON NEAL / AFP

As manobras diplomáticas entre a Alemanha e a União Europeia continuam para acelerar o processo de saída do Reino Unido do bloco, depois do plebiscito favorável ao Brexit, ocorrido na última quinta-feira (23).

A chanceler Angela Merkel alertou para o risco de “precipitação” depois do plebiscito que agitou o mercado financeiro e surpreendeu lideranças europeias e mundiais. A líder alemã disse que não “faria campanha” para que o Reino Unido deixe rapidamente a União Europeia. Nesta terça e quarta-feira, os membros do bloco se reúnem  em Bruxelas, e o assunto deverá dominar o encontro, que já estava previsto. No jantar de amanhã, o premiê britânico David Cameron deverá “explicar” o resultado da consulta popular aos membros da UE.

O presidente francês, François Hollande, será recebido nesta segunda-feira (27) pela chanceler alemã em Berlim. França e Alemanha teriam propostas para relançar o projeto europeu, e seriam, segundo fontes diplomáticas, o “motor do bloco”. Teoricamente, caberia então aos dois países a iniciativa de acelerar a saída dos britânicos, depois do resultado do plebiscito.

O chefe de governo italiano, Matteo Renzi, também participa da reunião em Berlim, que acontece às vésperas do Conselho Europeu de Bruxelas. Segundo Renzi, “a saída do Reino Unido pode ser uma oportunidade para reformar a Europa”, declarou. Antes de embarcar para Berlim, o chefe de Estado francês recebeu o presidente do Conselho Europeu, Donald Tusk, que irá presidir a cúpula de amanhã. Ele não escondeu o temor de um contágio do Brexit, que poderia levar outros países a deixar o bloco.

“Não se trata de um divórcio amigável”

Para o presidente da Comissão Europeia, não se trata de um divórcio “amigável”. “Eu não compreendo porque o governo britânico precisa esperar até o mês de outubro para decidir se envia ou não o pedido para Bruxelas. Eu gostaria de ter essa carta imediatamente”, declarou Jean-Claude Juncker.

O Parlamento Europeu se reunirá nesta terça-feira (28) em reunião extraordinária, e pedirá que Cameron cumpra a promessa e anuncie oficialmente à UE a saída do Reino Unido, utilizando o chamado artigo 50. De acordo com fontes diplomáticas, os britânicos talvez decidam nunca deixar oficialmente o bloco.

Segundo o artigo 50 do tratado de Lisboa, assinado em 2007, o Reino Unido deve notificar sua saída ao Conselho Europeu, composto de chefes de Estado e de governo dos países membros, e negociar as modalidades do processo em um prazo de dois anos. Apesar da pressão, o primeiro-ministro David Cameron não deverá dar início à tramitação nesta terça-feira.

 

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.