Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 18/11 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 18/11 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 18/11 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 18/11 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 18/11 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 18/11 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 17/11 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 17/11 15h06 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.

Parmesão é o segundo produto alimentar mais falsificado do mundo

Por
Parmesão é o segundo produto alimentar mais falsificado do mundo
 
Parmesão de verdade é só o italiano. (Photo : Filippo Monteforte/AFP)

Quem não gosta de um espaguete coberto de parmesão ralado? O queijo é um complemento obrigatório da cozinha italiana, mas na hora de despejá-lo sobre a massa, pouca gente se pergunta se está comendo um parmesão de verdade. A revista Les Echos Week-end, do jornal francês de mesmo nome, mostra que, devido ao próprio sucesso, o produto hoje é o segundo mais falsificado do mundo no setor alimentício.

A reportagem explica que, nos Estados Unidos, o parmesão falsificado virou a regra. No lugar do queijo produzido na região de Emilia Romagna, denominação de origem controlada do norte da Itália, a versão americana é um arremedo de celulose com outros queijos baratos.

Em fevereiro, lembra Les Echos Week-end, a agência Bloomberg denunciou que “100% do parmesão ralado” da gigante agroalimentar Kraft Heinz “contêm 3,8% de celulose”. A receita improvisada foi descoberta em 2012 pela agência americana de alimentação e medicamentos, a FDA.

Desde então, outras investigações mostraram que a prática é disseminada no país. Outras marcas chegam a acrescentar 9% de celulose na receita, uma tática para aglutinar melhor os queijos.

Regulamentação fraca no exterior permite falsificações

Ao Les Echos, os representantes do setor reclamaram que a falta de regulamentação no exterior abre espaço para esse tipo de fraude. A legislação americana não proíbe que as marcas façam trocadilhos com o verdadeiro nome do produto – Parmigiano Reggiano – e façam referências à Itália na embalagem, sem que o produto jamais tenha tido qualquer relação com o país europeu.

O fenômeno não se restringe aos Estados Unidos e se repete em vários países de fora da União Europeia, onde a legislação em vigor proíbe esse tipo de imitação grosseira. O site chinês Alibaba vende toneladas de falso parmesão diariamente. A revista informa que, em 2014, a fabricação de parmesão falsificado ultrapassou, pela primeira vez, a do verdadeiro queijo italiano. Atualmente, apenas o champagne francês é mais falsificado, entre os produtos alimentícios.

Já na Europa, os desafios são verificar o conteúdo das embalagens de queijo ralado, que pode deixar escapar misturas, e ampliar a fiscalização da origem do queijo usado em produtos congelados.
 

  1. 1
  2. 2
  3. 3
  4. ...
  5. seguinte >
  6. último >
Programas
 
O tempo de conexão expirou.