Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 15/09 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 15/09 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 15/09 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 15/09 09h57 GMT
  • 09h33 - 09h57 GMT
    Programa 15/09 09h33 GMT
  • 09h30 - 09h33 GMT
    Jornal 15/09 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 14/09 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 14/09 15h06 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Europa

Bancos centrais se preparam para choque da libra esterlina

media Cédulas da libra esterlina com a efígie da rainha Elizabeth II. AFP

A três dias do plebiscito que vai definir se o Reino Unido fica ou sai da União Europeia, as pesquisas apontam uma pequena vantagem dos pró-europeus. É consenso entre analistas que a eventual saída dos britânicos criaria uma situação inédita, que vai obrigar a construção de novas relações políticas e econômicas no bloco. Num primeiro momento, haverá forte turbulência nos mercados financeiros.

Os grandes bancos centrais discutem há semanas ações coordenadas. No caso de uma vitória do campo eurocético, o Banco Central Europeu e o Banco da Inglaterra, associados ao Banco Central do Japão, elaboraram mecanismos de injeção maciça de dólares nas praças financeiras, para evitar que alguns países se encontrem sem moeda e a escassez acentue a volatilidade no câmbio.

Um mecanismo desse gênero foi utilizado pela primeira vez após os atentados de 11 de setembro de 2001 nos Estados Unidos. Em seguida, com a crise financeira de 2007 e novas turbulências em 2010, as ações coordenadas foram aperfeiçoadas. Em 2013, o FED e bancos centrais dos países ricos fecharam um acordo para evitar uma derrocada nos mercados de câmbio.

Na eventualidade de um "Brexit", os bancos centrais também estudam comprar a libra esterlina nos mercados internacionais para sustentar o valor da divisa e evitar uma corrida por moedas mais seguras, como o iêne japonês ou o franco suíço, o que seria péssimo para os dois países. Todas as ações estruturadas visam garantir a menor turbulência possível. 

A City de Londres é o primeiro centro financeiro internacional e se prepara para viver um dia caótico, na quinta-feira (23), caso os britânicos escolham, nas urnas, deixar a União Europeia.

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.