Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 14/11 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 14/11 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 14/11 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 14/11 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 14/11 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 14/11 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 13/11 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 13/11 15h06 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Europa

Governo britânico ameaça com novos cortes e impostos em caso de Brexit

media O ministro da Economia britânico, George Osborne REUTERS/Paul Hackett TPX IMAGES OF THE DAY

O ministro da Economia britânico, George Osborne, avisou nesta quarta-feira (15) que aumentará impostos e cortará o orçamento da educação e saúde se o Reino Unido sair da União Europeia, o que provocou acusações de chantagem por parte do partidários do Brexit.

A advertência de Osborne é interpretada como a última grande cartada do primeiro-ministro David Cameron para influenciar os eleitores em um momento em que a opção de saída do grupo europeu sobe nas pesquisas para o referendo de 23 de junho.

Segundo a média das últimas pesquisas elaborada pelo grupo de opinião What UK Thinks, os partidários do Brexit totalizam 52%, e os adeptos da permanência no bloco, 48%, descartando os indecisos.

É a maior vantagem do Brexit nas pesquisas desde que elas começaram a ser realizadas, em outubro de 2015.

Osborne, citando um relatório do prestigiado e independente Instituto de Estudos Fiscais, calculou em 30 bilhões de libras o dinheiro que os cofres públicos perderão com a saída do Reino Unido e que, portanto, seria necessário recuperar essa quantia "aumentando impostos, cortando gastos ou ambas as coisas".

Osborne afirmou então que metade do dinheiro poderia ser arrecadada com aumento de impostos e cortes no orçamento.

"Arrecadar 15 bilhões de libras mediante cortes pode significar uma redução de 2% dos orçamentos para a saúde pública, educação e defesa".

Advertências enfurecem os conservadores

As advertências de Osborne enfureceram os conservadores que defendem a saída da UE. Cinquenta e sete deputados conservadores assinaram uma carta contra os planos do ministro da Economia, e Nigel Farage, líder do partido UKIP e feroz anti-UE, pediu que se "ignore o orçamento fantasioso de Osborne".

"Ele não será ministro por muito tempo", sentenciou. Mesmo os colegas de Osborne avisaram que sua posição acabará sendo insustentável se levar seu plano adiante.

"É absurdo afirmar que, se as pessoas votarem pela recuperação do controle perdido para a a UE, vão ser castigadas por isto", afirma o texto dos conservadores.

"Não acreditamos que vá encontrar apoio suficiente no Parlamento para suas propostas de cortar o NHS (saúde pública), nossas forças policiais e nossas escolas".

Simultaneamente, os conservadores Boris Johnson e Michael Gove vão apresentar uma mapa do caminho para se desvincular de Bruxelas caso o país decida abandonar a UE.
Segundo este plano, a desvinculação estaria pronta até 2020.

Rolls-Royce se posiciona

Warren East, presidente de um grande símbolo da indústria britânica, a montadora Rolls-Royce, também tomou partido em uma carta dirigida a seus funcionários, na qual defende a permanência na UE.

"Nossos clientes, fornecedores e funcionários se beneficiam com a permanência na UE e é do interesse da empresa que continuemos sendo membros".

A Europa representa um terço do volume de negócios da Rolls-Royce, que tem entre seus clientes o fabricante de aviões europeus Airbus e as companhias aéreas Air France e Lufthansa. Além disso, tem 14.000 empregados na Europa continental.

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.