Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 23/10 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 23/10 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 23/10 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 23/10 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 23/10 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 23/10 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 22/10 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 22/10 15h06 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.

Europa pode liberar vistos para turcos até fim de junho

Por
Europa pode liberar vistos para turcos até fim de junho
 
Ativistas protestam contra o retorno dos imigrantes para a Turquia, no porto de Mitilene, na ilha grega de Lesbos, 04 de abril de 2016. REUTERS/Giorgos Moutafis

A Turquia espera, nesta quarta-feira (4), dar mais um passo rumo à aproximação com a União Europeia. O bloco europeu deve recomendar hoje aos Estados-membros que aprovem a liberação do visto aos turcos até o fim de junho.O plano faz parte do controverso acordo assinado em março para o Estado turco conter a entrada de refugiados sírios na Europa.

Fernanda Castelhani, correspondente da RFI em Istambul

Se a medida for aprovada, os 79 milhões de turcos não precisarão mais apresentar comprovantes de renda, passar por entrevista e pagar uma taxa ao Consulado de cada país da União Europeia que desejam visitar para terem o carimbo no passaporte que permite, por alguns dias, entrarem e circularem livremente. Hoje, qualquer cidadão que deseja passar o fim de semana a lazer na Grécia, por exemplo,  tem de se submeter a esse processo.

Apenas 10% da população da Turquia tem passaporte e, até o momento, não houve aumento na procura para tirar o documento. Para um cidadão comum, a isenção do visto representa somente a oportunidade de viajar sem burocracia e a realização de um sonho de décadas: ser bem aceito pelos vizinhos. Mas é claro que o temor do bloco europeu se refere a uma provável invasão permanente de outros milhões de turcos.

A passagem livre para os turcos foi proposta pela União Europeia para que a Turquia abrigue os sírios - que já totalizam quase 3 milhões de refugiados no país. Em contrapartida, o governo de Ancara deve atender às exigências do bloco europeu – que vão desde cooperação jurídica, passando por passaportes biométricos até o fim do visto para os cidadãos da ilha vizinha de Chipre.

Comissão Europeia preencheu maioria dos requisitos

De acordo com a Comissão Europeia, a Turquia preencheu, até o momento, 65 dos 72 requisitos. Mas as grandes dúvidas se referem à deterioração dos Direitos Humanos e da liberdade de imprensa. Fica difícil imaginar como o governo, que segue um rumo mais autoritário do que democrático, entrará em conformidade com o que prevê o bloco europeu.

O vice-primeiro-ministro, Numan Kurtulmuş, declarou que o país está comprometido a concluir tudo o que foi pedido e que apenas alguns critérios serão cumpridos pouco antes do prazo final – sem esclarecer quais são. Os europeus garantem que não vão amenizar a pressão. Só que, nos bastidores, o que se comenta é que não há outra escolha possível para a Europa diante dos refugiados que ninguém quer abrigar.

Europa teme entrada de mais radicais islâmicos

Por um lado, o grande medo da União Europeia é a entrada de mais muçulmanos no bloco e de possíveis radicais islâmicos que se passem por turistas – apesar dos grupos terroristas já possuírem células espalhadas pela Europa. Nem os países conservadores nem os social-democratas querem acolher os refugiados que a Turquia recebe diariamente.

As autoridades turcas já ameaçaram interromper a recepção dos refugiados se o visto não for liberado, já que uma uma promessa está ligada a outra. Para alguns analistas, a entrada livre dos turcos não passa de um conto de fadas que não se tornará realidade, pelo menos, não em um futuro tão próximo como até o fim de junho, justamente por conta das exigências que a Turquia não conseguirá cumprir. Mas a maioria é otimista, ou melhor, pessimista, e prevê que a medida passará, sim, justamente porque a Europa prefere assumir o risco a ter de lidar com o maior número de refugiados desde a Segunda Guerra Mundial.

Independentemente do resultado, o que mais preocupa os especialistas em política internacional é o que virá depois nesse jogo de barganha e contrapropostas entre os dois lados. Se a União Europeia já está em polvorosa com a possível circulação de turistas turcos no bloco, talvez esteja abrindo caminho para mais uma pressão do presidente Tayyip Erdoğan: pela entrada efetiva da Turquia no bloco europeu.


Sobre o mesmo assunto

  • Europa/imigração

    Comissão Europeia defende acordo com a Turquia para conter fluxo de imigrantes

    Saiba mais

  • Linha Direta

    Deportação de refugiados da Grécia para a Turquia começa com protestos

    Saiba mais

  • Anistia Internacional acusa Turquia de expulsar refugiados

    Saiba mais

  • Migrantes

    Chegada de migrantes à Grécia diminui após acordo entre UE e Turquia

    Saiba mais

  1. 1
  2. 2
  3. 3
  4. ...
  5. seguinte >
  6. último >
Programas
 
O tempo de conexão expirou.