Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 23/07 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 23/07 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 23/07 15h00 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 23/07 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 23/07 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 22/07 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 22/07 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 22/07 15h00 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Europa

Premiê da Islândia renuncia depois do escândalo do Panama Papers

media O primeiro-ministro da Islândia, Sigmundur David Gunnlaugsson, nega envolvimento no escândalo de evasão fiscal. REUTERS/Bertil Enevag

O primeiro-ministro da Islândia, Sigmundur David Gunnlaugsson, anunciou nesta terça-feira (5) que renunciará, depois do escândalo gerado pelas revelações dos "Panama Papers", o maior vazamento de um esquema de evasão fiscal já registrado.  O premiê foi proprietário de uma empresa de fachada, destinada a administrar o patrimônio da esposa.

"O primeiro-ministro disse em uma reunião de seu grupo parlamentar que vai renunciar", declarou à televisão Sigurdur Ingi Johannsson, vice-presidente do Partido do Progresso e ministro de Agricultura.

Para que a renúncia seja oficial, o Partido da Independência, aliado à legenda do primeiro-ministro, ainda deve dar seu acordo. Se a demissão acontecer, Gunnlaugsson será o primeiro envolvido no escândalo a sofrer as consequências diretas do vazamento das informações publicadas pelo Consórcio Internacional de Jornalistas Investigativos (ICIJ, na sigla em inglês).

Premiê jurou inocência

O primeiro-ministro de 41 anos estava sob pressão depois que uma grande investigação jornalística, a Panama Papers, revelou a existência de uma empresa de fachada criada por sua esposa, Anna Sigurlaug Palsdottir, nas Ilhas Virgens britânicas em 2007, onde colocou milhões de dólares. O premiê jurou inocência desde que a informação vazou.

Na segunda-feira (4), milhares de pessoas foram às ruas de Reykjavik pedir a demissão de Gunnlaugsson. Mais de 24 mil islandeses também assinaram uma petição online para pedir sua renúncia.

Mais cedo, o premiê pediu autorização ao presidente islandês, Olafur Ragnar Grimsson, para dissolver o Parlamento e convocar novas eleições. O presidente, que voltou rapidamente de uma viagem que fazia nos Estados Unidos, negou o pedido, alegando que desejava consultar antes o Partido da Independência e o Partido do Progresso, para tomar conhecimento da posição de ambos sobre a questão.

Empresa de fachada

Segundo os documentos publicados pelo ICIJ, o primeiro-ministro possuía 50% da empresa de fachada Wintris Inc, destinada a administrar o patrimônio de sua esposa, herdeira de um magnata. No fim de 2009, Gunnlaugsson vendeu a empresa a sua esposa pela soma simbólica de US$ 1.

No entanto, quando foi eleito deputado pelo Partido do Progresso pela primeira vez, em abril de 2009, omitiu esta participação em sua declaração de patrimônio.

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.