Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 22/10 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 22/10 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 22/10 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 22/10 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 22/10 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 22/10 09h30 GMT
  • 09h33 - 09h57 GMT
    Programa 21/10 09h33 GMT
  • 09h30 - 09h33 GMT
    Jornal 21/10 09h30 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Europa

Irã manda e Itália esconde estátuas de mulheres nuas em Roma

media A Vênus Capitolina e as outras esculturas escondidas durante a visita do presidente iraniano, Hassan Rohani, foram descobertas depois de sua passagem pelo Capitólio, em Roma, na segunda-feira (25). Filippo Monteforte/AFP

Autoridades iranianas pediram que estátuas de mulheres nuas que decoram o Capitólio, a sede histórica da prefeitura de Roma, fossem cobertas durante a visita do presidente do Irã à capital italiana nesta semana. A exigência gerou fortes polêmicas entre a população.

A Vênus Capitolina, célébre escultura que data do século II antes de Cristo, é uma das obras de arte que foram cobertas com painéis brancos em Roma a pedido go governo do Irã. Segundo fontes oficiais, a decisão de cobrir as esculturas foi tomada "por respeito ao visitante", líder político e clérigo xiita.

Rohani chegou nesta segunda-feira (25) à capital italiana, acompanhado de uma delegação de 12 pessoas, composta de diplomatas e oficiais de Teerã, incluindo o ministro das Relações Exteriores, Javad Zarif.

Estátua equestre chocou iranianos

De acordo com o jornal italiano Il Messaggero, a delegação iraniana também pediu que a coletiva de imprensa conjunta com o primeiro-ministro Mateo Renzi não fosse realizada diante da estátua em bronze do imperador Marco Aurélio e seu cavalo, como havia sido programado. O diário afirma que o objetivo era evitar que os líderes políticos iranianos ficassem diante da reprodução do pênis do animal. O pedido, no entanto, não foi acatado e tanto Rohani quanto Renzi conversaram com a imprensa na sala que abriga a escultura.

As exigências das autoridades iranianas revoltaram a população e personalidades italianas. "Não se pode esconder a própria cultura, a própria religião ou a própria história. Foi uma decisão equivocada", criticou o arqueólogo Giuliano Volpe, presidente do Conselho Superior para os Bens Culturais do ministério italiano da Cultura.

Nesta quarta-feira (27), a delegação iraniana chega à Paris. Na capital francesa não foram programadas refeições com as autoridades porque o governo francês não aceitou o pedido iraniano de retirar o vinho da mesa.

(Com informações da AFP)

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.