Ouvir Baixar Podcast
  • 14h27 - 14h30 GMT
    Flash de notícias 21/10 14h27 GMT
  • 14h06 - 14h27 GMT
    Programa 21/10 14h06 GMT
  • 14h00 - 14h06 GMT
    Jornal 21/10 14h00 GMT
  • 08h57 - 09h00 GMT
    Flash de notícias 21/10 08h57 GMT
  • 08h33 - 08h57 GMT
    Programa 21/10 08h33 GMT
  • 08h30 - 08h33 GMT
    Jornal 21/10 08h30 GMT
  • 08h36 - 08h57 GMT
    Programa 20/10 08h36 GMT
  • 08h30 - 08h36 GMT
    Jornal 20/10 08h30 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Europa

Noruega e Bélgica oferecem curso de “como tratar as mulheres” para imigrantes

media A noruguesa Linda Hagen ministra cursos para postulantes a asilo. PIERRE-HENRY DESHAYES / AFP

A Bélgica segue o exemplo norueguês e deverá lançar nos próximos dias o seu curso com instruções de como respeitar as mulheres para imigrantes e refugiados recém-chegados. O modelo da Noruega foi implantado em 2011, após uma onda de estupros envolvendo estrangeiros, e, embora considerado racista pelos críticos, agora surge como opção para um continente ainda chocado com os ataques sexuais da noite de Ano Novo na Alemanha.

O curso norueguês tem por objetivo inserir homens criados em sociedades patriarcais em um país onde os costumes podem ser considerados bastante liberais. “Nosso objetivo é ajudar os postulantes a asilo a evitar tropeços ao descobrirem a cultura norueguesa”, explicou à agência AFP Linda Hagen, responsável pela empresa Hero, que administra 40% dos centros de acolhimento a refugiados. “Eles precisam tolerar atitudes que podem parecer imorais segundo as normas tradicionais ou religiosas”, explica.

O secretário de Asilo e Migração da Bélgica, Theo Francken, disse ao jornal Le Soir que não vai esperar que se repitam em seu país os incidentes de Colônia – onde a maioria dos acusados de agressão sexual são refugiados. “Vamos copiar o modelo norueguês e introduzir cursos nas próximas semanas”, disse Francken. “Muitos jovens solteiros estão chegando, e eles não estão acostumados com o contato com as mulheres. Não é um curso estigmatizante, é necessário”, completou o secretário.

Racismo

Mas a medida não é consenso no governo belga. A Ministra dos Direitos da Mulheres e Igualdade, Isabelle Simonis, se opõe. “Propor esta medida é fazer uma amálgama entre o que houve na Alemanha e os refugiados. Isso camufla o racismo”, disparou.

O curso aborda a questão das agressões sexuais com base em exemplos específicos. “Acontece de jovens de 18 anos se surpreenderem com o interesse das norueguesas e, a partir disso, deduzirem que elas querem transar com eles”, explica a responsável pelo curso na Noruega, que costuma debater com os imigrantes questões como “Como saber que uma mulher está interessada em sexo?”.

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.