Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 12/11 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 12/11 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 12/11 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 12/11 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 12/11 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 12/11 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 11/11 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 11/11 15h06 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Europa

Dinamarca e Suécia adotam novos controles de fronteira

media Controle de fronteira entre Dinamarca e Alemanha. REUTERS/Claus Fisker/Scanpix Denmark

A Dinamarca instaurou nesta segunda-feira (4) controles em suas fronteiras com a Alemanha para impedir a entrada de migrantes sem documentos, anunciou o primeiro-ministro Lars Løkke Rasmussen. A mesma medida foi tomada hoje pela Suécia em relação à fronteira com a Dinamarca.

Segundo a Alemanha, essas decisões põem o espaço Schengen, de livre circulação dentro da União Eurpeia em perigo. "A livre circulação é um bem precioso, declarou , Martin Schäfer, porta-voz do ministro das Relações Exteriores alemão, Frank-Walter Steinmeier. "O espaço Schengen é muito importante e está em perigo", enfatizou.

Para o premiê dinamarquês, o fechamento de fronteiras de outros países nórdicos “pode ter grandes consequências para a Dinamarca, provocando mais pedidos de asilo". O gabinete liberal de Rasmussen é favorável a limitar a chegada de migrantes ao país. A Dinamarca, que recebe apenas 18.000 pedidos de asilo por ano, teme que os migrantes rejeitados pela Suécia fiquem em seu território.

Um quinto dos residentes em território sueco são de origem estrangeira

A Suécia, onde há mais de 20% de residentes de origem estrangeira, recebeu até agora os refugiados de braços abertos. Com 9,8 milhões de habitantes, o país escandinavo acolheu mais de 160.000 no último ano e espera outros 170.000 para 2016.

O governo sueco passou a exigir um documento de identidade para cruzar, de trem ou carro, a ponte de Öresund, principal porta de entrada ao país de refugiados, a partir da Dinamarca, para tentar frear o fluxo de migrantes que chegam diariamente a sua fronteira.

Desde a meia-noite, na estação dinamarquesa de Kastrup, no aeroporto de Copenhague, de onde saem os trens para a Suécia, foram estabelecidos registros sistemáticos.

Controle aleatório reduziu chegada de migrantes na Suécia

A Suécia restabeleceu em 12 de novembro os controles em suas fronteiras, mas apenas em alguns pontos e de forma aleatória. Os dispositivos, somados ao endurecimento das condições de estada no país, tiveram efeito imediato, fazendo diminuir fortemente o número de chegadas desde meados de novembro.

Os controles de identidade sistemáticos terão forte impacto nas comunicações entre a Suécia e a Dinamarca, em particular para as 8.600 pessoas que usam diariamente a ligação entre Copenhague e Malmö, terceira cidade sueca. As novas medidas também vão afetar a circulação ferroviária, com menos trens e atrasos esperados de 10 a 50 minutos em relação aos horários habituais.

 

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.