Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 20/09 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 20/09 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 20/09 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 20/09 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 20/09 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 20/09 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 19/09 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 19/09 15h06 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Europa

Partidos saúdam pedido do rei da Espanha para diálogo e união

media O Rei da Espanha, Felipe VI, na tradicional mensagem de final de ano ao país. REUTERS/Angel Diaz/

Os dois principais partidos políticos espanhóis, o PP e o PSOE, afirmaram nesta sexta-feira (25) que estarão à altura das expectativas criadas para resolver o impasse político no país depois das eleições legislativas. Lideranças elogiaram a mensagem natalina do rei Felipe VI, que pediu união e diálogo para a formação do novo governo.

Em uma mensagem gravada pela primeira vez na sala do trono do Palácio Real, o rei Felipe IV lembrou aos espanhóis a grandeza e a história de sua nação e pediu para o país demonstrar "vontade de entendimento".

"O pluralismo político, que se expressou nas urnas, traz sensibilidades, visões e perspectivas diferentes; e exige uma maneira clara de fazer política baseada no diálogo, no acordo e no compromisso", disse o monarca, de 47 anos.

As eleições legislativas do último domingo foram marcadas pela entrada no parlamento de dois novos partidos políticos: o Podemos, de extrema-esquerda, que se tornou a terceira força política do país, e o Cidadãos, que ficou em quarto na votação.

Fragmentação política

Podemos e Cidadãos puseram fim ao bipartidarismo que dominou o cenário político espanhol por mais de 30 anos, com a hegemonia dos conservadores e socialistas.

Nenhum partido conquistou maioria absoluta para governar e diante de um parlamento muito fragmentado, acordos serão necessários para garantir a formação de um governo estável. No entanto, diante das diferenças entre os partidos, a tarefa é considerada muito difícil e complexa.

"O que deve contar para todos e, antes de tudo, é a Espanha", afirmou Felipe VI, monarca considerado sem carisma e em busca de legitimidade.

Segundo a constituição espanhola, o rei tem um papel imparcial. Em janeiro, ele deverá iniciar as consultas com os líderes de diferentes partidos antes de designar o que tem mais chances de formar um governo.

Os conservadores do Partido Popular e os socialistas do PSOE reagiram ao apelo do rei e se mostraram dispostos a trabalhar para chegar a um pacto que garanta a formação do futuro gabinete.

Reações

A secretária-geral do PP, María Dolores de Cospedal, considerou a mensagem de Felipe IV "histórica e essencial". "Histórica pelos dias que passam nosso país e porque nos falou do presente e do futuro da Espanha para as próximas gerações. Unidade, consenso e estabilidade, são os pilares básicos da nossa democracia. Isso o rei destacou ao reafirmar que nosso caminho é o do entendimento, da convivência e da concordância", disse Cospedal.

Ela pediu que os adversários socialistas tenham um "ponto de vista" para estar "à altura das circunstâncias" em referência à postura a ser adotada na hora de negociar um pacto político.

O porta-voz do PSOE no congresso, Antonio Hernando, destacou que os socialistas estarão "à altura das circunstâncias", mas reiterou que a executiva do partido irá dizer "não" ao primeiro-ministro Mariano Rajoy e às suas propostas que “pretendem dividir a Espanha”.

Por outro lado, Hernando disse que o PSOE rechaça propostas de "autodeterminação de alguns territórios", em clara referência ao Podemos. O partido de exterma-esquerda defendeu durante a campanha que os catalães realizem um referendo para decidir seu futuro, apesar de que é contra a independência da região da Espanha.

Hernando e Cospedal saudaram o espírito de "consenso" expressado pelo rei Felipe VI durante sua mensagem. Pelo Twitter, o líder do Podemos, Pablo Iglesias, disse que divide com o monarca a visão de que a Espanha é um "país diverso e plural", mas lamentou a ausência dos temas desemprego, corrupção e desigualdades no discurso oficial.

Também pela mesma rede social, o líder do Cidadãos, Albert Rivera, disse compartir com o Rei " a necessidade de diálogo, reformas democráticas, união e responsabilidade nesta nova etapa da democracia espanhola".
 

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.