Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 18/08 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 18/08 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 18/08 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 18/08 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 18/08 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 18/08 09h30 GMT
  • 09h33 - 09h57 GMT
    Programa 13/08 09h33 GMT
  • 09h30 - 09h33 GMT
    Jornal 13/08 09h30 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Últimas notícias
  • Dois mortos e seis feridos em ataque a faca na Finlândia
Europa

Artista russo põe fogo na entrada do prédio do serviço secreto e divulga 'performance' em vídeo

media Em 2013, Pavlenski pregou a pele dos testículos às pedras do pavimento da Praça Vermelha de Moscou. REUTERS/Maxim Zmeyev

O artista plástico russo Piotr Pavlenski foi detido nesta segunda-feira (9) depois de incendiar as portas do Lubianka, o prédio que abrigou durante anos a KGB e que atualmente é sede do FSB (Serviço Federal de Segurança). O artista publicou um vídeo da 'performance' na plataforma Vimeo. Ele permanece parado diante das chamas por alguns segundos, antes da chegada de um policial que o agarra pelo braço.

Piotr Pavlenski colocou fogo nas portas de madeira do imponente edifício do serviço secreto russo, perto do Kremlin. Na mensagem que acompanha o vídeo, ele afirma que "o Serviço Federal de Segurança (FSB) utiliza o terror sem fim para manter sob seu poder 146 milhões de pessoas", em referência ao número de habitantes da Rússia.

Depois de ser detido, Pavlenski foi levado para uma delegacia para prestar depoimento, segundo o site Mediazona, que monitora as detenções de ativistas e opositores. Além do artista plástico, dois jornalistas, um deles do canal independente Dojd, que cobriu a performance de Pavlenski, foram detidos por alguns minutos.

Em 2013, Pavlenski pregou a pele dos testículos às pedras do pavimento da Praça Vermelha de Moscou. Após uma investigação, a justiça arquivou o caso por considerar que ele não havia cometido "nenhuma infração". A polícia estimou que o ato de Pavlenski não teve motivação política, ideológica, racista e não foi dirigida contra nenhum grupo étnico, social ou religioso".

O artista permanece sob investigação judicial por ter queimado pneus em uma rua de São Petersburgo em fevereiro de 2014, em apoio às manifestações contra o governo no poder naquele momento na Ucrânia.

 
O tempo de conexão expirou.