Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 24/09 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 24/09 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 24/09 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 24/09 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 24/09 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 24/09 09h30 GMT
  • 09h33 - 09h57 GMT
    Programa 23/09 09h33 GMT
  • 09h30 - 09h33 GMT
    Jornal 23/09 09h30 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Últimas notícias
  • Luka Modric é eleito melhor jogador de 2018 pela Fifa
Europa

Treze espanhóis ficam cegos depois de utilizar produto cirúrgico fabricado na Alemanha

media Casos surgiram em junho, mas só foram confirmados neste sábado (31) pelas autoridades sanitárias espanholas. Getty Images Europe/Chris Jackson/Employé

Treze espanhóis ficaram cegos de um olho e outros 28 foram afetados pelo uso de um produto cirúrgico para retina produzido na Alemanha. O anúncio foi feito neste sábado (31) pelas autoridades sanitárias espanholas.

A Agência Espanhola de Medicamentos e Produtos de Saúde (AEMPS) "registrou, até o momento, 41 casos em 11 centros médicos espanhóis" causados pelo produto "Ala Octa", fabricado pela empresa alemã Asa Medics. Ele foi retirado do mercado na Espanha no dia 26 de junho. Na França, a venda foi suspensa no dia 23 de setembro.

"Até agora, foram confirmados 13 casos de amaurose (cegueira)" do olho operado, segundo o comunicado e uma fonte do ministério da Saúde espanhol. Esse produto também provocou casos de "atrofia do nervo óptico, diminuição da acuidade visual, inflamação e vasculite", de acordo com o comunicado. A maioria dos pacientes afetados são do País Basco.

Atraso nas investigações

A AEMPS está conduzindo uma investigação clínica, analítica e técnica, segundo a nota oficial, acrescentando que o fabricante do produto e o distribuidor colaboram com a agência.

"As amostras foram enviadas para um instituto de pesquisa em oftalmologia para análises químicas e toxicológicas", afirma a autoridade competente.

O jornal El Pais questionou neste sábado o "atraso" das empresas e médicos para transmitir as suas suspeitas sobre esse produto alemão. O jornal cita o caso de Mikel González, de 44 anos, morador de Rentería, País Basco, que ficou cego do olho esquerdo depois de ter sido operado em 2 de junho.

No dia seguinte após a operação, o paciente já não enxergava, o que intrigou os médicos. Em julho, o oftalmologista disse que "um dos produtos tinha sido tóxico e atrofiado o nervo óptico", relata González.

Além dos casos detectados na Espanha, um caso suspeito de cegueira provocada pelo mesmo medicamento está sendo investigado na Itália.

(Com informações da agência AFP)

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.