Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 14/11 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 14/11 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 14/11 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 14/11 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 14/11 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 14/11 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 13/11 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 13/11 15h06 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Europa

Bulgária, Sérvia e Romênia ameaçam fechar fronteiras

media Migrantes esperam ônibus na Sérvia, país que viu mais de 300 mil pessoas atravessarem seu território desde o início do ano.

Os chefes de governo da Sérvia, Romênia e Bulgária ameaçaram fechar suas fronteiras casos outros países, principalmente a Alemanha, bloqueiem a entrada de migrantes em seus territórios. Berlim anunciou que pretende tornar mais difícil o acesso ao exílio no país e que vai intensificar as expulsões a partir de segunda-feira (26).

Com informações de Nathalie Versieux, correspondente da RFI em Berlim

Os representantes da Bulgária, Sérvia e Romênia consideram que a construção de barreiras nas fronteiras “não é uma boa decisão”. Os três líderes preferem uma “ação comum em toda a Europa, da Grécia até os países mais afastados”, declarou o chefe do governo romeno, Victor Ponta, na saída do encontro deste sábado (24), em Sofia. A reunião tinha como objetivo definir uma posição comum antes da cúpula europeia sobre a crise da imigração prevista para domingo em Bruxelas.

Já o primeiro-ministro sérvio, Alexandar Vucic, ressaltou que o grupo precisa de uma “solução global que não pode ser adotada às custas de nossos países”. A Sérvia, que não faz parte da União Européia, viu mais de 300 mil migrantes vindos da Macedônia e da Grécia atravessarem seu território desde o início do ano rumo a Croácia e, mais recentemente, a Eslovênia para, em seguida, tentarem entrar na Alemanha ou na Suécia.

A declaração mais dura foi feita pelo primeiro-ministro búlgaro, Boïko Borissov. “Nossos três países estão dispostos, caso a Alemanha, a Áustria e outros Estados fechem suas fronteiras, a fechar as nossas ao mesmo tempo”, disse o representante de Sofia. A Bulgária já ergueu uma barreira de 30km de extensão em uma parte de sua fronteira com a Turquia. No entanto o país, assim como a Romênia, ambos membros da União Européia desde 2007, não fazem parte dos itinerários mais procurados pelos migrantes.

Os chefes de governo romeno, búlgaro e sérvio participam no domingo da reunião de cúpula convocada pelo presidente da Comissão Européia Jean-Claude Juncker. Alemanha, Grécia, Eslovênia, Croácia, Hungria e Macedônia também estarão no encontro.

Alemanha dificulta acessos dos migrantes

Acusado de ter perdido o controle da entrada de migrantes no país, facilitando demais o acesso, o governo alemão anunciou que vai tornar mais difícil as condições de asilo político em seu território e vai acelerar os procedimentos de expulsão dos estrangeiros que tiverem seus pedidos de permanência recusados. Segundo o secretário de Estado encarregado da Coordenação dos Refugiados na Alemanha, Peter Altmaier, os primeiros migrantes já devem ser expulsos na segunda-feira (26).

Apenas em Berlim 9 mil pessoas já fazem parte da lista dos que serão enviados de volta para seus países. Os principais visados pela medida são os migrantes vindos dos Bálcãs. 

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.