Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 18/02 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 18/02 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 18/02 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 18/02 09h57 GMT
  • 09h33 - 09h57 GMT
    Programa 18/02 09h33 GMT
  • 09h30 - 09h33 GMT
    Jornal 18/02 09h30 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Europa

Europeus lembram os 70 anos do fim da Segunda Guerra Mundial

media Cerimônia no Arco do Triunfo, em Paris, para lembrar o fim da Segunda Guerra Mundial. Foto: Reuters

Os europeus celebram nesta sexta-feira (8) os 70 anos da vitória dos aliados sobre o nazismo em 1945, no final da Segunda Guerra Mundial. O presidente francês, François Hollande, comemorou a rendição dos nazistas ao lado do secretário de Estado americano, John Kerry, depositando uma coroa de flores no Arco do Triunfo, em Paris, diante do túmulo do soldado desconhecido.

O primeiro-ministro Manuel Valls e os presidentes da Assembleia e do Senado estavam presentes, assim como membros da família do general Charles de Gaulle, considerado um herói pelos franceses por ter organizado a resistência e o desembarque aliado na Normandia.

"Não vivemos a guerra, nós a olhamos como uma realidade distante, às vezes abstrata, mesmo agora que ele não está tão longe de nós, na Ucrânia, no Oriente Médio, quer dizer, a quatro ou cinco horas de avião", declarou François Hollande em uma cerimônia de entrega do prêmio do Concurso Nacional da Resistência e da Deportação a jovens franceses.

Diferentemente das comemorações dos 70 anos do Desembarque aliado nas praias da Normandia, no ano passado, com a presença de vários chefes de Estado, entre eles o russo Vladimir Putin, cada país optou este ano por celebrar a data em um contexto mais nacional.

"Há cidadãos franceses que, infelizmente, vivem em um recrutamento, uma doutrinação e vão se perder em locais de conflito, onde eles podem até perder as suas vidas", disse François Hollande em referência às centenas de franceses que deixaram o país para se juntar ao jihadismo na Síria no Iraque.

"Há também um terrorismo que pode nos atingir, um racismo, um antissemitismo. Há ainda ideais que devem nos motivar", sublinhou o chefe de Estado ao lado de sobreviventes da Segunda Guerra Mundial e de jovens.

Celebração em outros países

Na Alemanha, a chanceler Angela Merkel, o presidente Joachim Gauck e líderes parlamentares se reuniram para lembrar a data histórica no Palácio Reichstag, sede da câmara baixa do Parlamento, em Berlim. O presidente do Parlamento, Norbert Lammert, destacou em seu pronunciamento que os alemães "não conseguiram se libertar por si mesmos" e agradeceu "a todos que perderam a vida para colocar um fim ao terror nazista".

A Polônia comemora o fim do domínio nazista em Gdansk, onde aconteceram os primeiros disparos dos canhões alemães no início da guerra, em setembro de 1939.

A Rússia organiza amanhã um desfile militar para celebrar os 70 anos da capitulação alemã. Mas, este ano, os principais líderes do Ocidente recusaram o convite de Vladimir Putin para participar do Dia da Vitória, em possível represália ao envolvimento da Rússia no conflito do leste da Ucrânia.

A parada militar amanhã em Moscou vai contar com os líderes da África do Sul, China e Índia, que compõem com o Brasil o grupo dos Brics. O Brasil será representado na solenidade pelo ministro da Defesa, Jaques Wagner.

 

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.