Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 21/09 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 21/09 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 21/09 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 21/09 09h57 GMT
  • 09h33 - 09h57 GMT
    Programa 21/09 09h33 GMT
  • 09h30 - 09h33 GMT
    Jornal 21/09 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 20/09 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 20/09 15h06 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Europa

Atentado contra evento sobre Islã deixa um morto em Copenhague

media Policiais protegem os arredores do prédio que foi alvo do ataque neste sábado, em Copenhague. AFP PHOTO / MATHIAS OEGENDAL / SCANPIX DENMARK

Um civil, ainda não identificado, foi morto em um tiroteio contra um prédio que sediava um debate sobre islamismo e liberdade de expressão, neste sábado (14), em Copenhague. Três policiais que protegiam o local ficaram feridos. O chargista sueco, autor de uma polêmica charge de Maomé, e o embaixador da França na Dinamarca participavam do evento. Paris denunciou “um ataque terrorista”.

O embaixador francês, François Zimeray, e o chargista sueco, Lars Vilks, saíram são e salvos do tiroteio. Eles participavam do debate, quando o prédio onde o evento acontecia em Copenhague foi alvo de dezenas de tiros. Os dois homens suspeitos do ataque conseguiram fugir em um carro e estão sendo procurados pela polícia. O carro, abandonado pelos suspeitos, já foi encontrado.

Lars Vilks é autor de uma polêmica charge mostrando o profeta Maomé como um cachorro. O desenho foi publicado em 2007. Desde então, o chargista é ameaçado por grupos radicais islâmicos e está sob proteção policial. O ataque acontece pouco mais de um mês após o atentado contra o jornal Charlie Hebdo, em Paris, e confirma o alto risco de ataques jihadistas na Europa.

França condena um atentado terrorista

A França foi o primeiro país a reagir ao ataque em Copenhague. O ministro das Relações Exteriores, Laurent Fabius, “condenou com firmeza o atentado que visou uma reunião pública que contava com a participação do embaixador francês na Dinamarca”.

O presidente François Hollande divulgou um comunicado manifestando a solidariedade da França à primeira-ministra dinamarquesa, Helle Thoring-Schmidt, que foi uma das líderes mundiais a participar da marcha republicana de 11 de janeiro, após os atentados de Paris. Hollande anunciou que o ministro do Interior, Bernard Cazeneuve, irá rapidamente a Copenhague.

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.