Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 17/10 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 17/10 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 17/10 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 17/10 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 17/10 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 17/10 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 16/10 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 16/10 15h06 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Europa

Milhares manifestam na Europa em homenagem às vítimas do atentado no Charlie Hebdo

media Manifestantes saíram as ruas em várias cidades europeias, como em Lisboa, onde uma vigília foi feita em homenagem às vítimas do atentado no jornal Charlie Hebdo. REUTERS/Rafael Marchante

Milhares de pessoas se reuniram novamente na noite desta quinta-feira (8) em Paris, mas também em várias cidades europeias, em protesto contra o ataque visando o jornal satírico Charlie Hebdo, na véspera. As autoridades francesas organizam uma grande passeata no próximo domingo (11), com diversos representantes políticos. Uma reunião com os ministros da Europa e dos Estados Unidos está prevista para o mesmo dia.

A capital francesa foi palco de mais uma manifestação em homenagem às vítimas do atentado no jornal Charlie Hebdo. Além dos milhares de manifestantes, a prefeita de Paris, Anne Hidalgo, colocou uma vela aos pés do monumento da praça da Republique, na região central da capital francesa. O local está repleto de flores, retratos e desenhos, depositados no chão desde a noite de quarta-feira, quando um primeiro protesto silencioso reuniu cerca 35 mil pessoas, segundo números da polícia. “Sentimos que o que aconteceu ontem foi antes de tudo um ato trágico, mas que visa também fragilizar a democracia e a República, então os parisienses sentiram a necessidade de continuar em pé, unidos”, disse a prefeita.

Paris não foi a única cidade a organizar protestos nesta quinta-feira. Milhares de pessoas foram às ruas de Haia e de Roterdã, na Holanda, diante da embaixada francesa em Roma, na Itália, em Atenas, na Grécia, em Genebra, na Suíça, em Frankfurt, na Alemanha, em Praga, na República Checa, em Budapeste, na Hungria, em Belgrado, na Sérvia, e em Zagreb, na Croácia. Londrinos, russos e lisboetas também se mobilizaram.

Ministros da Europa e dos Estados Unidos discutirão terrorismo em Paris

Os ministros do Interior de vários países europeus, além do ministro norte-americano da Justiça, Erik Holder, participarão de uma reunião internacional domingo em Paris sobre segurança. “É para eles um momento de manifestar a solidariedade à França, a oposição ao terrorismo, mas também para discutirmos juntos esse desafio comum imposto pelos terroristas e que só poderemos resolver de forma conjunta, na União Europeia e além”, declarou o ministro francês do Interior, Bernard Cazeneuve, durante uma entrevista coletiva nesta quinta-feira.O comissário europeu das Relações Internas, Dimitris Avramopoulos, e o coordenador europeu para a luta contra o terrorismo, Gilles de Kerchove, além do secretário norte-americano da Segurança Interna, Jeh Johnson, também foram convidados.

Domingo será marcado por outra grande passeata na capital francesa. O protesto, que deve reunir vários representantes políticos, chegou a ser fruto de polêmica, pois o partido de extrema-direita Frente Nacional não foi convidado para participar do ato. Para a prefeita de Paris, a passeata será um evento republicano, e um grupo extremista não é bem-vindo, apesar das circunstâncias. Alguns representantes da direita contestaram a decisão de Anne Hidalgo, afirmando que a manifestação de reunir todas as forças políticas do país.

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.