Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 23/10 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 23/10 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 23/10 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 23/10 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 23/10 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 23/10 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 22/10 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 22/10 15h06 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Europa

Inventores das lâmpadas LED vencem Nobel de Física

media O Prêmio Nobel de Física foi para os cientistas japoneses Isamu Akasaki e Hiroshi Amano e o norte-americano Shuji Nakamura. REUTERS/Bertil Ericson/TT News Agency

O Prêmio Nobel de Física foi concedido aos japoneses Isamu Akasaki e Hiroshi Amano e ao americano de origem japonesa Shuji Nakamura. Eles inventaram os diodos de luz azul, que proporcionaram o desenvolvimento das lâmpadas LED de luz branca. Eles vão receber um prêmio de cerca de R$ 2,6 milhões.

Em seu comunicado, a Academia Real de Ciências da Suécia afirma que as LED constituem uma fonte de luz econômica e sustentável. Elas consomem menos energia do que as lâmpadas luminescentes, sendo benéficas para o meio ambiente.

Durante vários anos, a indústria teve à disposição LEDs de cor vermelha e verde. Para obter luz branca, era necessário ter a componente azul, o que os cientistas premiados com o Nobel conseguiram produzir em 1990. Hoje, as LED estão onipresentes em nosso cotidiano. Em telefones celulares, televisores, residências e no comércio.

Akasaki, de 85 anos, foi recompensado ao lado de dois cientistas mais jovens. Amano nasceu em 1960 e o americano Nakamura, em 1954.

A temporada no Nobel foi inaugurada, ontem, com a divulgação dos vencedores do prêmio de Medicina. Os premiados foram o anglo-americano Johan O’Keefe e o casal de noruegueses May-Britt e Edvard Moser. Eles foram recompensados pelas descobertas relativas a “células que constituem um sistema de geoposicionamento no cérebro”, segundo o comitê do Nobel.

Amanhã, serão conhecidos os vencedores na área de Química.

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.