Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 22/09 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 22/09 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 22/09 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 22/09 09h57 GMT
  • 09h33 - 09h57 GMT
    Programa 22/09 09h33 GMT
  • 09h30 - 09h33 GMT
    Jornal 22/09 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 21/09 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 21/09 15h06 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Europa

Especialistas tentam obter acesso ao local da queda do MH17 na Ucrânia

media O depultado Alexander Hug, vice-chefe da equipe da Organização para Segurança e Cooperação na Europa (OSCE) monitora as investigações na Ucrânia. 30 de julho de 2014. REUTERS/Sergei Karpukhin

Os especialistas holandeses e australianos farão uma nova tentativa nesta quinta-feira (31) de obter acesso ao local onde o Boieng da Malaysia Airlines caiu no dia 17 de julho, no leste da Ucrânia, deixando 298 mortos.  

As forças armadas ucranianas anunciaram suspensão da ofensiva contra os separatistas pró-russos no leste do país a pedido do secretário-geral da ONU Ban Ki Moon.

Apesar do porta-voz dos separatistas, Oleksiï Dmytrachkivski, ter declarado que os militares poderão reagir "para se defender" em caso de eventuais ataques dos separatistas, os especialistas devem chegar hoje ao local da queda do MH17. Eles estarão acompanhados de membros da OSCE (Organização para a Segurança e a Cooperação na Europa).

De acordo com um comunicado da missão holandesa, a equipe pretende obter acesso à região onde o avião caiu há duas semanas e avaliar a segurança do trajeto a partir de Donetsk, a capital da região tomada pela rebelião pró-russa.

A maioria dos corpos já foi retirada do local, mas ainda há restos humanos e pertences dos passageiros que não foram recuperados. O acesso à região da tragédia e a coleta dos destroços do avião são fundamentais para a análise que vai determinar o que derrubou o avião.

Apesar do cessar-fogo, os rebeldes intensificaram seu efetivo no local nos últimos dias, multiplicando a artilharia e instalando minas, o que dificulta a chegada dos especialistas. Nesta manhã, foram registrados intensos combates entre as forças ucranianas e os pró-russos no Leste da Ucrânia.

Os Estados Unidos e seus aliados continuam insistindo que o Boieng foi abatido por um míssil russo fornecido por Moscou aos separatistas.
 

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.