Ouvir Baixar Podcast
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 24/05 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 24/05 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 24/05 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 24/05 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 23/05 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 23/05 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 23/05 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 23/05 09h57 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Europa

Milhares de espanhóis vão às ruas pedir o fim da monarquia

media Manifestação contra a monarquia em Madri mobilizou espanhóis neste domingo. REUTERS/Susana Vera

Cansados da crise econômica e dos escândalos envolvendo membros da família real, mais de oito mil pessoas manifestaram neste domingo no centro de Madri para pedir o fim da monarquia e o início de uma terceira república na Espanha. A data escolhida coincide com o aniversário da proclamação da 2ª República, em 1931, que terminou com a Guerra Civil (1936-1939).

Os manifestantes agitavam bandeiras republicanas nas cores vermelho, amarelo e violeta. Muitos gritavam frases como: “Espanha, amanhã será republicana” ou “O Borbón vai trabalhar”. Borbón é o nome da família real espanhola.

O último escândalo envolve o genro do rei Juan Carlos, Iñaki Urdangarin, acusado de corrupção. A infanta Cristina, caçula de Juan Carlos e mulher de Urdangarin, foi convocada para depor no caso.

Há exatamente um ano, os espanhois já amargavam uma histórica e grave crise econômica quando o rei quebrou a bacia durante uma caçada de elefantes em Botsuana. Juan Carlos chegou a pedir desculpas públicas.

Uma pesquisa publicada pelo jornal El País do dia 7 de abril, realizada antes da convocação de Cristina, revelava que apenas 42% das pessoas entrevistadas “aprovavam” a atuação do soberano, contra 53% que “desaprovavam”.
 

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.