Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 18/08 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 18/08 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 18/08 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 18/08 09h57 GMT
  • 09h33 - 09h57 GMT
    Programa 18/08 09h33 GMT
  • 09h30 - 09h33 GMT
    Jornal 18/08 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 17/08 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 17/08 15h06 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Europa

UE investigará responsabilidade de países em naufrágios africanos

media Barco trazendo imigrantes africanos chega a Lampedusa em 12 de abril. AFP / Filippo MONTEFORTE

A Assembleia Parlamentar do Conselho Europeu lançou hoje uma investigação para verificar a eventual responsabilidade dos Estados-membros na morte de cerca de mil imigrantes, que se afogaram enquanto tentavam chegar à costa européia no mar Mediterrâneo após o início das revoltas populares contra os regimes autoritários africanos.

“Tenho a intenção de ver como os barcos foram interceptados, ou não, pela agência Frontex, que gerencia a fiscalização das fronteiras externas da União Européia, ou até por navios militares”, afirmou a senadora européia holandesa Tineke Strik, do partido ecologista Greenleft (Esquerda Verde), encarregada de coordenar a apuração.

As revoltas árabes na Tunísia e no Egito, seguidas da guerra civil na Líbia, provocaram o êxodo de 35 mil africanos, que fugiram dos seus países em embarcações precárias. Diversas delas afundaram antes que chegassem à ilha italiana de Lampedusa, o ponto mais ao sul da Europa.

Em 8 de maio, uma reportagem do jornal britânico The Guardian afirmou que 62 imigrantes morreram de fome e sede em um barco que ficou à deriva por 16 dias, sem que os pedidos de socorro emitidos provocassem qualquer reação dos navios militares que cruzaram a região naquele período. Na época, a França e a Otan, que eram apontadas como donas das embarcações envolvidas e que ignoraram os apelos, negaram envolvimento no caso.

 

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.