Ouvir Baixar Podcast
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 18/06 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 18/06 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 18/06 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 17/06 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 17/06 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 17/06 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 17/06 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 17/06 09h36 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.

Técnica da seleção francesa de futebol visa troféu e não dá bola para sexismo

Técnica da seleção francesa de futebol visa troféu e não dá bola para sexismo
 
Corinne Diacre, técnica da seleção francesa feminina de futebol, foi a primeira treinadora de uma equipe masculina na história do futebol francês. REUTERS/Gonzalo Fuentes

Nesta semana de estreia da Copa do Mundo de Futebol Feminino na França, a técnica da seleção francesa, Corinne Diacre, 45 anos, foi assediada pela imprensa mas não deu entrevistas. Em um perfil dedicado a ela, a revista do jornal Aujourd'hui en France ouviu pessoas próximas da treinadora. Elas contaram que Corinne apenas se sentirá merecedora de atenção, caso vença o torneio.

Discreta e concentrada em seu trabalho, a ex-jogadora foi a primeira mulher a treinar uma equipe masculina no país, o clube de Clermont Ferrand, da segunda divisão, e não esqueceu as etapas de sua carreira.

Desde pequena, Corinne Diacre demonstrou paixão pelo esporte. A partir do quinto ano, ela frequentou uma escola especializada, que consagrava a metade do tempo de estudo a atividades esportivas. O colégio ficava no interior da França e ela era a única menina numa classe de 39 garotos. A experiência acabou ajudando Corinne Diacre a se construir não dando bola aos comentários sexistas.

O ex-presidente do clube de Clermont, Claude Michy, que a empregou como técnica do time masculino lembra o início de carreira difícil que ela enfrentou, com três derrotas e um empate nos primeiros jogos. Nas derrotas, as manchetes eram "Diacre perde". Quando ela conquistou a primeira vitória, o título foi: "O Clermont ganhou", lembra seu mentor.

O machismo do meio não perturbou a evolução da técnica. Todos reconhecem que Corinne Diacre tem uma personalidade forte, é exigente e está acostumada a buscar a excelência. Só o que importa para ela na hora de avaliar uma jogadora é ter certeza que a pessoa compartilha seus valores de humildade, dedicação e extremo profissionalismo.

Depois da vitória dos franceses na Copa da Rússia, Corinne Diacre tem apenas um sonho na cabeça: conquistar a sua Copa do Mundo, em casa, no dia 7 de julho.


Sobre o mesmo assunto

  • Futebol Feminino

    Estrelas do futebol feminino em guerra pela equiparação salarial com homens

    Saiba mais

  • França/futebol

    Mídia ajuda a legitimar futebol feminino, diz autora de documentário sobre boleiras no mundo

    Saiba mais

  • Esportes

    França aposta em uma Copa do Mundo feminina de futebol histórica

    Saiba mais

  1. 1
  2. 2
  3. 3
  4. ...
  5. seguinte >
  6. último >
Programas
 
O tempo de conexão expirou.