Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 18/07 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 18/07 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 18/07 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 18/07 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 18/07 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 18/07 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 17/07 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 17/07 15h06 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Esportes

Fifagate: ex-presidente da CBF, José María Marin, é banido para sempre do mundo do futebol

media José María Marin disse que sua vida virou um "inferno" após o processo AFP/Don Emmert

O ex-presidente da CBF, José María Marin, condenado em agosto de 2018 pela Justiça americana a quatro anos de prisão por corrupção, está "banido de qualquer atividade ligada ao futebol". A decisão foi anunciada pela Fifa nessa segunda-feira (15)

Primeiro grande dirigente do mundo do futebol a ser condenado no escândalo "Fifagate", o brasileiro também deverá pagar uma multa equivalente a 1 milhão de francos suíços (quase R$ 4 milhões), informou a Fifa em um comunicado.

O “Fifagate” foi revelado em 2015, com a prisão de Marin em Zurique. A detenção do ex-presidente e de outros nomes de peso do mundo do futebol aconteceu durante o congresso da Fifa na cidade suíça.

Extraditado para os Estados Unidos em novembro do mesmo ano, o brasileiro foi considerado culpado de seis acusações, entre elas a de participação no sistema de corrupção da Fifa, fraude bancária e lavagem de dinheiro.

Suborno em troca da direitos de transmissão dos jogos

Durante o processo, testemunhas afirmaram que o dirigente de 86 anos e seu número dois, Marco Polo del Nero, teriam recebido cerca de US$ 6,55 milhões em forma de suborno. O valor teria sido pago por empresas de marketing esportivo em troca dos direitos de promoção e difusão na televisão dos grandes torneios de futebol sul-americanos.  

Marín chegou a afirmar que o futebol era seu “grande amor”. Mas, desde sua prisão em 2015, ele vive um "pesadelo", que transformou a vida de sua família num "inferno".

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.