Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 25/04 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 25/04 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 25/04 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 25/04 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 25/04 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 25/04 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 24/04 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 24/04 15h06 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.

Handebol: Brasil tem melhor participação em Mundial e mira Tóquio

Handebol: Brasil tem melhor participação em Mundial e mira Tóquio
 
Brasil comemora vitória sobre a Croácia em jogo disputado na Lanxess Arena, em Colônia, Alemanha. 20/01/19neiro de 2019 REUTERS/Annegret Hilse

A Dinamarca conquistou neste domingo (27) o campeonato mundial ao derrotar a Noruega por 31-22 na final disputada em casa, na cidade de Hening. Festa para q vibrante torcida vermelha que lotou a Jyske Bank Arena. Afinal foi o primeiro título da competição para os dinamarqueses que co-organizaram o Mundial com a Alemanha. Este era o único troféu que faltava para a Dinamarca, já consagrada campeã olímpica e europeia. A França ficou em terceiro lugar depois de vencer a Alemanha por 26-25.  O campeonato mostrou mais uma vez a superioridade dos europeus nesta modalidade. 

Longe do pódio, a seleção brasileira de handebol masculino voltou para casa feliz por ter feito história ao terminar o Mundial de handebol deste ano em nono lugar, classificação jamais alcançada pela modalidade.

O desempenho não apenas superou as expectativas como compensou a garra e determinação dos jogadores e da equipe técnica.

Até a participação deste ano, a melhor posição alcançada pelo handebol masculino na competição tinha sido o 16° lugar. Com dificuldades na preparação devido aos cortes de patrocínio, a seleção treinada por Washington Nunes superou as barreiras e do começo ao fim.

O início da competição foi determinante. Apesar da derrota de 24 a 22 para os franceses, que defendiam o título, o resultado apertado demonstrou que a equipe tinha potencial.   

“O jogo mais emblemático para nós foi contra a França.  Mostramos um equilíbrio e jogamos de maneira consistente. Deu bastante perspectiva para a equipe. Tivemos convicção que poderíamos ir bem”, afirma o treinador Washington Nunes à RFI.

A sequência foi mais difícil com o time perdido em quadra contra os alemães, anfitriões do Mundial que foi disputado também em parte na Dinamarca. Com apenas duas vagas em disputa, o Brasil só poderia vencer dali para frente e foi o que aconteceu, com vitórias sobre a Sérvia (24/22) , Rússia (25/23) e Coreia (35/26).

“A primeira vitória contra a Sérvia foi muito positiva, contra a Rússia foi sensacional porque era um adversário muito duro e contra a Coreia era o momento de confirmar a classificação pela primeira vez na história. Foram os jogos mais emblemáticos”, destaca.

Depois de dois anos de muitas dificuldades de treinamento, Washington credita a participação histórica à fase final de preparação, entre dezembro e o dia 11 de janeiro, na estreia na competição. “Foi um trabalho muito intenso e linear, que culminou numa maturidade durante a disputa dos jogos”, avaliou.

Na segunda fase, que foi inédita para a seleção, o Brasil surpreendeu uma das melhores equipes europeias e com grande tradição na modalidade, a Croácia. A vitória por 29 a 26, com Haniel Langaro escolhido melhor em quadra, foi comemorada até as lágrimas, como um verdadeiro feito histórico. “O jogo contra a Croácia talvez tenha sido o melhor de muitos anos. Conseguimos neutralizar as ações de uma equipe muito competitiva e jogamos muito bem no ataque”, conta.

O jogo contra a Islândia, que selou a participação da equipe no Mundial, também ficará na memória por mais uma vitória contra uma equipe europeia. “Foi a quinta vitória de oito jogos e a que nos garantiu o nono lugar. A equipe estava muito concentrada”, lembra.  

Brasil x Croácia - Lanxess Arena, Colônia, Alemanha - 20 de janeiro de 2019 REUTERS/Annegret Hilse

Apesar da grande campanha no Mundial de Handebol, o treinador da seleção brasileira não tem muitas ilusões sobre a atração de novos patrocinadores. Ela lembra que a equipe feminina, campeã mundial em 2013, não usufruiu do prestígio com o título.

“Essa vitória nos coloca em outro patamar, mas não altera em nada devido ao contexto em que o país vive. A seleção feminina foi campeã mundial e isso não alterou em nada as questões de marketing e com a mídia. Fizemos história, vencemos e ficamos na frente de muitos europeus, mas nada irá mudar se não tivermos continuidade”, alerta.

O próximo desafio da seleção brasileira de handebol será a participação da fase classificatória para as Olimpíadas de 2020 em Tóquio.  O Brasil vai disputar uma das vagas reservadas à América do Sul.  

“O Comitê Olímpico Brasileiro está abraçando o handebol. Todo o planejamento para Lima onde vamos tentar a vaga olímpica está garantido. Acredito que temos uma grande perspectiva para a conquista da vaga”, afirma.

“É uma equipe jovem, ambiciosa e a meta agora é garantir a classificação para os Jogos Olímpicos. Nossa ambição é ir a Tóquio e fazer novamente história”, conclui Nunes.

 


Sobre o mesmo assunto

  • Esportes

    Brasil disputa Mundial de handebol impactado por corte de verbas e patrocínio

    Saiba mais

  • Esportes

    Handebol do Brasil mira Tóquio 2020 depois da decepção no Mundial da França

    Saiba mais

  • Esportes

    Handebol feminino do Brasil: amistosos contra a França testam nível da seleção para Mundial

    Saiba mais

  • RFI CONVIDA

    Jogadora brasileira estreia no handebol francês

    Saiba mais

  1. 1
  2. 2
  3. 3
  4. ...
  5. seguinte >
  6. último >
Programas
 
O tempo de conexão expirou.