Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 20/07 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 20/07 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 20/07 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 20/07 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 20/07 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 20/07 09h30 GMT
  • 09h33 - 09h57 GMT
    Programa 15/07 09h33 GMT
  • 09h30 - 09h33 GMT
    Jornal 15/07 09h30 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.

Pesquisador brasileiro comemora consolidação do futebol em meio acadêmico

Pesquisador brasileiro comemora consolidação do futebol em meio acadêmico
 
Bernardo Borges Buarque de Hollanda, pesquisador da área de História, Sociologia e Antropologia dos Esportes. RFI/Márcia Bechara

Ele é Doutor em História Social da Cultura, pesquisador na área de História, Sociologia e Antropologia dos Esportes e participou em Paris de um colóquio sobre futebol e o papel da Copa do Mundo no Instituto de Altos Estudos da América Latina. O RFI Convida desta segunda-feira (18) recebeu Bernardo Borges Buarque de Hollanda.

Parece existir no mundo acadêmico “um certo desprezo” para a temática do esporte e do futebol em particular. Para Bernardo Borges Buarque de Hollanda “o tema não foi considerado como sendo relevante”. “O que é mais interessante é que hoje se trata de um assunto consolidado, o que era um horizonte longínquo nos anos 80. Hoje temos muito bons pesquisadores com uma diversidade de temas, ângulos, de aspectos que são estudados sobre a Copa do Mundo” completou.

Preconceito

Para superar o preconceito, foi preciso ver que o esporte é “uma janela para olhar facetas da sociedade contemporânea”. “Nós podemos estudar fenômenos econômicos, políticos e socioculturais simplesmente observando esses 30 dias do chamado megaevento que é o futebol”, afirmou o pesquisador.

Um dos exemplos que mostra como a análise do esporte pode indicar esses fenômenos é a construção do estádio do Maracanã. “Ele foi construído para ser o maior estádio do mundo, capaz de abrigar até 200 mil pessoas. O estádio era um espaço de inclusão. A ideia de que o povo estava representado pela seleção de futebol era muito forte. Em 2014 nós não vivemos isso, desde a jornada de junho de 2013, nós passamos por um questionamento muito grande sobre os valores que foram gastos para a construção dessas arenas. Isso mostra que hoje nós temos uma sociedade muito mais crítica, em virtude de que o estádio se tornou mais um espaço de exclusão do que propriamente de inclusão social, já que o perfil visado se tornou muito mais elitizado”, finalizou.  


Sobre o mesmo assunto

  • Brasil para na defesa suíça e estreia com empate na Copa da Rússia

    Saiba mais

  • Brasil/Futebol

    "Copa do Mundo não mobiliza mais o Brasil", diz Le Monde

    Saiba mais

  • “Brasil é um dos postulantes ao título", diz Tite na véspera de estreia na Copa

    Saiba mais

  • A Semana na Imprensa

    Juiz uzbeque que criou confusão no Brasil é recordista de arbitragem na Copa

    Saiba mais

  • Cristiano Ronaldo marca três e Portugal arranca empate contra Espanha

    Saiba mais

  • Cerimônia de abertura da Copa da Russia terá mudanças e Ronaldo Fenômeno entre as atrações

    Saiba mais

  1. 1
  2. 2
  3. 3
  4. ...
  5. seguinte >
  6. último >
Programas
 
O tempo de conexão expirou.