Ouvir Baixar Podcast
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 16/10 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 16/10 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 16/10 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 15/10 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 15/10 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 15/10 15h00 GMT
  • 09h33 - 09h57 GMT
    Programa 14/10 09h33 GMT
  • 09h30 - 09h33 GMT
    Jornal 14/10 09h30 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Esportes

Cerimônia de abertura da Copa da Russia terá mudanças e Ronaldo Fenômeno entre as atrações

media Luzhniki Stadium, local da cerimônia de abertura e do jogo de estreia da Copa de 2018. REUTERS/Carl Recine

A música oficial desta Copa, “Live it up”, vai embalar a cerimônia de abertura do evento no estádio Luzhniki, em Moscou, nesta quinta-feira (14). A festa terá como atrações principais o cantor pop Robbie Williams, a soprano russa Aida Garifullina e o ex-jogador Ronaldo Fenômeno, duas vezes campeão mundial, que representará os jogadores e a busca pela conquista do troféu máximo do futebol.

O formato da festa organizada pela FIFA traz mudanças em relação a outras edições do torneio. Além do tempo de duração mais curto, a cerimônia foi programada para ter início apenas meia hora antes da partida inicial, prevista para as 18h pelo horário russo (12h em Brasília), entre a Rússia, anfitriã do Mundial, e a Arábia Saudita, pelo grupo A. 

O conteúdo do espetáculo, que deve ser visto por 80 mil espectadores nos estádio e por milhões de pessoas no mundo todo, ainda não foi revelado, mas terá um forte apelo musical. O roteiro deve manter a tradição de celebrar o esporte mais popular do planeta e fazer referências à história e à cultura locais.

Em entrevista, Ronaldo declarou que o jogo de abertura da Copa é sempre “um evento muito simbólico e muito aguardado durante quatro anos por jogadores e fãs do futebol”. O ex-jogador, que fez parte do Comitê de Organização da Copa de 2014, também destacou a emoção única que representa o espetáculo para os anfitriões do Mundial. “Senti isso quatro anos atrás e estou muito feliz de participar desse momento com os russos”, declarou.

Com uma seleção sem grandes craques e ocupando o 70° lugar no ranking da FIFA, a pior classificação entre os 32 participantes do Mundial, os russos não se mostram motivados com a seleção nacional, mas recepcionam com simpatia os torcedores.

Na véspera da estreia da Copa, o moscovita Serguey foi até os arredores da Praça Vermelha, no centro da capital, conferir a movimentação dos torcedores estrangeiros que trouxeram cores e uma alegria contagiante ao local. “Vim ver a quantidade de estrangeiros. É muito bom, legal”, comentou.

Ele cruzou com um grupo de peruanos entusiasmados em dar apoio à seleção que volta a disputar o Mundial depois de 36 anos. Um torcedor argentino que se aproximada da praça Vermelha comentou: “Os uruguaios e argentinos estão fazendo barulho. O ambiente está lindo."

Polêmica espanhola

Os espanhóis não mostram, pelo menos no momento, o mesmo entusiasmo, especialmente depois da surpreendente saída do treinador Julen Lopetegui. Ele foi demitido na quarta-feira (13), a três dias da estreia da equipe contra Portugal, pelo grupo B.

Com a revelação de que ele assinou contrato como novo treinador do Real Madrid após a Copa para substituir Zinedine Zidane, sua presença no comando da Fúria se tornou insustentável.  

Fernando Hierro, ex zagueiro da seleção espanhola nos anos 1980-1990, que participou de quatro Mundiais, foi chamado às pressas para substituí-lo.

Com pouca experiência como técnico, - ele apenas treinou a equipe de Oviedo antes de deixar o cargo por divergências com a direção do clube – Hierro ganhou destaque como diretor esportivo da Federação Espanhola entre 2007 e 2011.

Hierro ocupava o mesmo cargo com a seleção espanhola na Rússia antes de ser chamado para comandar a equipe. A crise é sem precedentes na história do futebol espanhol, mas o novo técnico procurou relativizar a polêmica.

“O desafio é emocionante”, declarou durante a entrevista coletiva na cidade de Krasnodar, onde a equipe está concentrada.

Seleção brasileira

Apesar da crise, a Fúria continua uma das favoritas ao título, junto com a Alemanha, Bélgica e Argentina, na análise do meio campista Paulinho, da seleção brasileira.

Escalado para falar com a imprensa nesta quarta-feira, o jogador do Barcelona incluiu a seleção espanhola na sua lista de fortes candidatas ao título por ter “grandíssimos jogadores”.

“Prefiro não me meter na saída do treinador, temos que estar focados na seleção brasileira”, disse.

O Brasil volta a treinar da tarde desta quinta-feira, em Sochi,  antes de embarcar no dia seguinte para Rostov on Don, onde estreia no próximo domingo (17) contra a Suíça.

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.