Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 22/02 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 22/02 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 22/02 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 22/02 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 22/02 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 22/02 09h30 GMT
  • 09h33 - 09h57 GMT
    Programa 18/02 09h33 GMT
  • 09h30 - 09h33 GMT
    Jornal 18/02 09h30 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Esportes

Aperto de mão histórico rompe silêncio de 70 anos entre Coreias na abertura dos Jogos

media Aperto de mão historico entre o presidente sul coreano, Moon Jae-in, e a irmã do lider da Coreia do Norte, Kim Yo Jong. Martin BUREAU / AFP

Os Jogos Olímpicos de Inverno de Pyeongchang, na Coreia do Sul, foram abertos oficialmente nesta sexta-feira (9), sob o lema "Paz em Movimento". A celebração começou com momento de forte simbolismo político: um aperto de mão entre o presidente sul-coreano, Moon Jae-in, e Kim Yo Jong, a irmã caçula do líder norte-coreano, Kim Jong Un.

Foi a primeira vez que um representante da dinastia que dirige a Coreia do Norte pisou no país vizinho desde o fim da guerra das Coreias, em 1953. Kim Yo Jong reafirma com esse gesto sua ascensão dentro do regime norte-coreano. Em outubro de 2017, ao ascender ao poderoso Politburo do partido único da Coreia do Norte, Kim Yo Jong se tornou a figura feminina mais influente da hierarquia política do país.

Segundo o correspondente da RFI, Frédéric Ojardias, foia primeira vez, depois da divisão da Coreia, há 70 anos, que um membro da família reinante ao Norte se dirigiu ao Sul. Uma hora mais tarde depois da abertura oficial dos Jogos da Coreia do Sul, atletas dos dois países, vestidos de branco, desfilaram juntos atrás da bandeira da unificação coreana, uma silhueta azul sob fundo branco. Nos uniformes, apenas uma palavra: Coreia.

Os atletas foram ovacionados por uma multidão de 35 mil pessoas que lotaram as arquibancadas do estádio olímpico.  Em seu discurso de abertura dos Jogos, o presidente do Comitê Olímpico Internacional, Thomas Bach, disse: "vocês vão nos inspirar para viver em paz e em harmonia, apesar das nossas diferenças.  No sábado, autoridadesdos dois países vão se reunir para discussões de alto nível.

A Olimpíada de Peyongchang, que ficará marcada pela reaproximação das duas Coreias, acontece até o dia 25 de fevereiro. Cerca de 2.900 atletas de 92 países participam de modalidades na neve e no gelo.  O Brasil participa com uma delegação de 9 atletas.

Segunda vez que a Coreia do Sul acolhe a Olimpíada

Esta é a segunda vez que a Coreia do Sul recebe os Jogos Olímpicos, dois eventos que representaram pontos decisivos em sua história. Os jogos de verão de Seul, em 1988, foram aqueles do reconhecimento internacional: a Coreia do Sul, na ocasião um país devastado pela guerra, emergia economicamente, com uma democracia incipiente.

Exatamente 30 anos depois, o país organiza sua segunda Olimpíada... E o caminho trilhado foi impressionante. A Coreia do Sul se tornou a 11ª economia mundial, e a mais conectada no mundo, com uma democracia dinâmica. Seu maior desafio hoje é o relacionamento com o turbulento vizinho do norte.  A Coreia do Norte que acabou de concordar em participar dos Jogos, sinalizando uma retomada do contato.

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.