Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 23/07 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 23/07 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 23/07 15h00 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 23/07 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 23/07 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 22/07 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 22/07 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 22/07 15h00 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Esportes

A outra face de Neymar começa a decepcionar os franceses

media Neymar durante o jogo em que o PSG venceu o Lyon por 2 a 0, mas com gols contra do time adversário. REUTERS/Gonzalo Fuentes

O diretor esportivo do Paris Saint-Germain, Antero Henrique, o técnico Unai Emery, o brasileiro Neymar e o uruguaio Edinson Cavani se reúnem nesta quarta-feira (20), após dois dias de repouso, para encontrar uma solução à crise provocada pela ordem de cobrança de pênaltis dos dois atacantes do PSG.

A rixa de domingo entre os dois jogadores, na partida contra o Lyon, abriu uma guerra interna no clube e mexeu com a imagem de Neymar no país. De ídolo absoluto, afável e sorridente, Neymar já se transformou em "uma personalidade forte, que pode ser fonte de tensões", diz o jornal Aujourd'hui en France nesta quarta-feira (20).

"A cada partida, o público francês descobre a face oculta atrás do rosto infantil de Neymar. Aquela em que o sorriso desaparece para dar lugar a uma certa raiva, que pode se expressar de maneira desastrada, como a cena vista no domingo com Cavani", destaca o jornal.

O uruguaio deixou o gramado logo após o apito final e a vitória por 2 a 0 do PSG sem agradecer os torcedores. No vestiário, ele pediu explicações a Neymar sobre a insistência do brasileiro em cobrar o pênalti. A cobrança foi finalmente feita por Cavani, mas defendida pelo goleiro. Houve bate-boca. O capitão Thiago Silva e Marquinhos tiveram que intervir para evitar a briga.

Além do pênalti, a rivalidade entre as dois astros latino-americanos também ficou evidente na cobrança de uma falta no início do segundo tempo. Cavani queria cobrar, mas Daniel Alves pegou a bola primeiro e a ofereceu ao amigo Neymar.

Neymar já perdeu a cabeça outras vezes

A imprensa francesa ressuscita vários ataques de estrelismo de Neymar em campo. Lembra uma situação semelhante de disputa de pênalti quando ele ainda jogava no Santos e tinha apenas 18 anos. "Neymar xingou o treinador e foi punido com uma suspensão por dois jogos", recorda o jornal.

"Em 2015, ele quis tirar satisfação fisicamente com um torcedor do Manchester City e foi apartado pelos seguranças do estádio", prossegue o texto. Em 2016, Neymar também "insultou o companheiro de equipe no Barcelona Jordi Alba (mandou tomar no **)", num jogo contra o Valença. No fim do jogo, "além de levantar a mão na cara do adversário Antonio Barragan, nos vestiários, Neymar jogou uma garrafa no rival dizendo que ganhava dez vezes mais do que ele". Feio, muito feio para o jornal Aujourd'hui en France, para quem Neymar é agora "O outro Neymar".

A reunião de crise hoje no Camp des Loges, o campo de treinamento do PSG, deve definir que Neymar e Cavani sempre baterão os pênaltis de forma alternada. Se os dois aceitarem o compromisso, Neymar será potencialmente o próximo na escala de pênaltis.

O "penaltigate" mobiliza a imprensa esportiva em toda a Europa. Da Espanha, o francês Zidane, técnico do Real Madri, fez uma crítica indireta ao técnico parisiense. "Aqui, nós definimos antes do início do jogo quem vai bater os pênaltis e a ordem".  

Sites lembram que daqui a pouco Neymar terá saudade do argentino Lionel Messi, que tinha a primazia dos pênaltis no Barça, mas deixou o brasileiro bater 11 vezes de bola parada na última temporada.

"O reino do rei Cavani, depois da saída de Ibrahimovic do PSG, durou apenas um ano", observa o Aujourd'hui en France.

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.