Ouvir Baixar Podcast
  • 14h27 - 14h30 GMT
    Flash de notícias 23/11 14h27 GMT
  • 14h06 - 14h27 GMT
    Programa 23/11 14h06 GMT
  • 14h00 - 14h06 GMT
    Jornal 23/11 14h00 GMT
  • 08h57 - 09h00 GMT
    Flash de notícias 23/11 08h57 GMT
  • 08h36 - 08h57 GMT
    Programa 23/11 08h36 GMT
  • 08h30 - 08h36 GMT
    Jornal 23/11 08h30 GMT
  • 08h33 - 08h57 GMT
    Programa 19/11 08h33 GMT
  • 08h30 - 08h33 GMT
    Jornal 19/11 08h30 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Esportes

França vence Noruega e é hexacampeã do Mundial de handebol

media A seleção francesa ergue o troféu de campeã mundial de handebol. REUTERS/Benoit Tessie

A seleção francesa de handebol conquistou neste domingo (29) seu sexto troféu de campeã mundial de handebol ao vencer a Noruega por 33 a 26, na final disputada em Paris. Favorita deste o início para manter seu troféu, a França amplia seu recorde de títulos na principal competição da modalidade.

As duas equipes se enfrentaram na primeira fase pelo grupo A, o mesmo do Brasil, com vitória dos franceses por 31 a 28. O resultado indicava que a batalha na final poderia ser ainda mais dura.

A Noruega até tentou estragar a festa da França com seus mais de 15 mil torcedores no ginásio AccorArenaHotels, em uma partida que também contou com a presença do presidente francês François Hollande no público. Mas a equipe só deu trabalho na primeira etapa, quando fez um jogo equilibrado com os anfitriões do Mundial.

Os noruegueses, que chegaram à final depois de uma classificação dramática contra a Croácia na prorrogação, souberam anular o setor ofensivo francês e foram eficientes no ataque, aproveitando melhor as oportunidades.

A equipe chegou a abrir três pontos (14- 11), ameaçando os donos da casa. A reação começou pelo gol, com o treinador Didier Dinard sacando o titular Thierry Omeyer para apostar no reserva Vincent Gerard, que cresceu durante o Mundial e foi um dos responsáveis pela invencibilidade dos “Bleus” no torneio.

Ele defendeu bolas importantes permitindo o empate e a virada da equipe nos minutos finais. Com os acertos no ataque, a França passou à frente no último lance, indo para o intervalo com a vantagem apertada de 18-17.

Show no 2° tempo

Na volta dos vestiários, uma equipe muito mais combativa voltou para a quadra. E os “experts” como são conhecidos os jogadores de handebol da França, deram o show que se esperava.

Embalada com a vantagem e empurrada pela torcida, a seleção deu uma demonstração de força e superioridade técnica e massacrou os adversários com a rapidez, principalmente nos contra-ataques.

Aproveitando também as falhas dos noruegueses, em poucos minutos os franceses abriram cinco pontos de vantagem (23-18), uma diferença administrada e ampliada no decorrer do confronto.

Com menos de cinco minutos para o fim da partida, a diferença de até oito gols no placar fez as arquibancadas levantarem para vibrar a plenos pulmões alternando o hino nacional francês, gritos de guerra e de “somos campeões”.

Com o apito final, veio a esperada comemoração preparada com fogos de artifício na quadra para celebrar o triunfo de uma equipe que reina absoluta no ranking dos títulos mundiais (1995, 2001, 2009, 2011, 2015, 2017).

Nikola Karabatic foi um dos destaques da seleção francesa na final disputada neste domingo (29), em Paris. REUTERS/Charles Platiau

Quarta colocada no último campeonato europeu, a Noruega chegou pela primeira vez na história a uma final de um torneio internacional e deixa a competição como uma das promessas do esporte europeu.

Em meio à festa azul, vermelha e branca, a Federação Internacional de Handebol anunciou a realização da próxima edição do campeonato mundial que em 2019 será organizado conjuntamente pela Alemanha e pela Dinamarca.
 

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.