Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 25/04 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 25/04 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 25/04 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 25/04 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 25/04 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 25/04 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 24/04 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 24/04 15h06 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Esportes

Mayra é ouro, Penalber e David Moura são bronze no Grand Slam de Paris

media Mayra Aguiar, medalha de ouro no Grand Slam Paris. Foto: Elcio Ramalho

O Brasil subiu ao pódio três vezes neste domingo (7), no segundo e último dia do Grand Slam de Paris de Judô, uma das principais competições do circuito internacional do esporte. Mayra Aguiar foi o maior destaque da delegação ao conquistar a medalha de ouro. No torneio masculino, Victor Penalber e David Moura garantiram o bronze.

Mayra Aguiar garantiu a medalha de ouro da categoria até 78kg com um ippon na final contra a americana Kayla Harrison, que saiu chorando com a derrota. Emocionada com seu primeiro título no Grand Slam francês, a gaúcha ficou satisfeita com seu desempenho em um percurso perfeito.

"A forma que eu lutei foi muito boa. Saio muito feliz por isso. Independentemente do resultado, claro estou muito feliz, mas a forma como lutei foi muito boa. Ganhando desse jeito, nesta competição, foi ótimo”, comemorou a atleta na entrevista à RFI Brasil. A conquista veio em um momento em que Mayra busca muita confiança. “Terminei o ano (de 2015) insatisfeita com meus resultados. Eu refleti muito e foi um ano de muito aprendizado. Entrei em 2016 com a cabeça muito melhor, uma vontade a mais, está tudo perfeito", resumiu.

O percurso de Mayra em Paris começou com vitória sobre a tunisiana Sarra Mzougui. Na sequência, passou pela eslovaca Anamari Velesenk, pela espanhola Laia Talarn e pela britânica Gemma Gibbons, antes de disputar a final.

A vitória em Paris vale pontos importantes para a atleta ganhar mais posições no ranking para as Olimpíadas, seu grande objetivo no ano: "Os brasileiros estão querendo medalhas e a gente está se preparando muito. O que eles podem esperar da gente é isso: uma doação por inteiro. É isso que estamos fazendo diariamente".

Mayra deixa a delegação brasileira que fica em Paris para um treino internacional e volta ao Brasil para seguir uma estratégia de recuperação definida pela sua equipe técnica.

Bronzes no masculino

No torneio masculino, dos sete atletas brasileiros na competição apenas dois disputaram e saíram com medalhas no peito. A primeira delas veio com Victor Penalber (-81 kg). Na disputa pelo bronze, ele superou o russo Alan Khubetsov por ippon e saiu muito satisfeito pelo desempenho e por sair com ileso. Recuperado de uma lesão no tornozelo depois do Mundial de Abu Dhabi, o carioca voltou a mostrar garra. A pancada no rosto recebida durante a segunda luta não o incomodou, apenas ficou como “uma marca da guerra”, segundo ele.

Victor Penalber, medalha de bronze no Grand Slam Paris.

É importante sair de uma competição como esta com medalha e sem lesão, isso é o mais importante principalmente nesta corrida olímpica que a gente está vivendo até chegar o Rio 2016", disse à RFI Brasil. "Voltar de lesão e com uma medalha em um torneio tão tradicional como Paris é muito importante",  diz o judoca que está muito confiante. "Este ano é sem lesão, só competição e medalhas", brincou.

Com o bronze, Victor soma pontos preciosos para estar em uma posição privilegiada no ranking e garantir vaga nos Jogos que serão disputados em casa. "Foi muito importante para pontuar e acumular pontos. Estou bastante confiante para lutar no Rio", garante o atleta que já se projeta na competição olímpica : "É como dar um presente para todo mundo que sempre acreditou em mim. Vai ter o peso de toda a minha família, dos amigos, essa energia vai ser muito positiva e vai desequilibrar a balança a favor do Brasil".

 

A segunda medalha de bronze masculina foi garantida por David Moura (+100kg). Vice-campeão das duas últimas edições do Grand Slam de Paris, ele foi superado nas quartas pelo japonês Ryu Shichinohe e acabou na repescagem. Na disputa da medalha com o georgiano Levani Matiashvili, levou a melhor, com o adversário sendo punido com quatro advertências.

Apesar das dores nas costelas ao final do combate, David Moura saiu satisfeito em manter o embalo iniciado com o ouro do torneio de Sofia, em janeiro. "É a terceira vez que luto em Paris e é a terceira medalha. Iniciei o ano bem, com o ouro da Bulgária. Estou no caminho certo e trabalhando muito para conquistar minha vaga na Olimpíada”, afirmou. “Hoje dei um grande passo. Estou mostrando para a Confederação que eu tenho um grande potencial para ganhar medalha nas Olimpíadas", disse, confiante.

David Moura, medalha de bronze no Grand Slam de Paris. Foto: Elcio Ramalho

Cinco medalhas no total

Com as três medalhas deste domingo e as outras duas de bronze conquistadas por Sarah Menezes e Rafaela Silva no sábado, o Brasil termina o Grand Slam de Judô de Paris na quarta posição no quadro de medalhas, atrás do Japão, vencedor com 9 medalhas (5 de ouro), da Coreia do Sul com 7 medalhas (3 de ouro), e da França com 9 medalhas no total( 2 de ouro).
 

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.