Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 21/09 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 21/09 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 21/09 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 21/09 09h57 GMT
  • 09h33 - 09h57 GMT
    Programa 21/09 09h33 GMT
  • 09h30 - 09h33 GMT
    Jornal 21/09 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 20/09 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 20/09 15h06 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Esportes

Sarah Menezes e Rafaela Silva conquistam bronze no Grand Slam de Judô de Paris

media Sarah Menezes, judoca brasileira. Foto: RFI Brasil

As judocas Sarah Menezes e Rafaela Silva conquistaram neste sábado (6) as primeiras duas medalhas para o Brasil no Grand Slam de Paris de 2016. A competição é uma das mais tradicionais do circuito internacional do judô e conta pontos para garantir vagas para as Olimpíadas do Rio de Janeiro.

Sarah Menezes, da categoria meio ligeiro (-48kg) conquistou o primeiro bronze ao superar a japonesa Haruna Asami . Muito emocionada ao sair do tatame, Sarah comemorou o resultado como uma verdadeira final. "Não cheguei a uma medalha de ouro, mas conquistei uma medalha brilhante em uma competição muito forte . Para mim foi uma final. Sempre ‘bati na trave’ com o Japão", disse em entrevista à RFI Brasil.

O gosto de uma "inal de bronze"  foi por ter superado uma das melhores atletas do circuito. Haruna Asami é campeã mundial Senior de 2015, vice-campeã do Mundial do Rio (2013) e campeã do Grande Slamde Paris (2013). "Asami é uma atleta muito forte, mas eu tive muita confiança durante a luta e lutei até o fim. Estou muito feliz. O pódio varia muito. O mais importante foi como eu me senti", acrescentou.

Abraçada à treinadora Rosicleia Campos, Sarah comemorou sobretudo o embalo da boa fase iniciada em 2016 com a medalha de ouro no Grand Prix de Havana, em janeiro. A piauiense parece ter recobrado a confiança que lhe faltou nos últimos tempos.

"O que é mais importante é como eu me senti. Estou muito satisfeita com meu desempenho . Eu estou melhorando minha fase a cada dia. Estou me sentindo cada dia melhor nas competições, nos treinamentos e pessoalmente também. Quero continuar tendo esses bons momentos", avalia.

Praticamente garantida no Time Brasil de Judô para as Olimpíadas do Rio de Janeiro, Sarah Menezes diz não pensar muito nos Jogos que acontecerão em agosto. "Eu não penso nas Olimpíadas e sim no meu dia-a-dia. Eu me sentindo bem, treinando bem, participando das competições e tendo um bom desempenho, tenho certeza que vai ser muito boa. Então eu não venho pensando na Olimpíada e sim em cada fase, cada etapa, cada competição, cada dia, cada segundo para que venham coisas melhores", disse.

No caminho ao bronze, Sarah passou por Tatiana Osoianu da Moldávia, eliminou a francesa Mélanie Clement por ippon, mas perdeu para a belga Charline Van Snick e foi para a repescagem. Na sequência, eliminou a cubana Dayarais Mestre Alvarez para disputar o bronze com a japonesa Haruna Asami.

Rafaela Silva, judoca que conquistou o bronze no Grand Slam de Paris - 2016 Foto: RFI Brasil



  

Rafaela ganha outro bronze

Na sequência, Rafaela Silva, na categoria até 57 kg sofreu muito para poder colocar a medalha de bronze no peito. Ela estava perdendo a medalha para a polonesa Arleta Podolak em número de advertências (3-2), mas conseguiu ser agressiva e aplicou um golpe nos segundos finais. O bronze lhe garantiu um lugar no pódio e teve gosto de revanche. "Eu sabia que ia ser uma luta muito dura. Eu já tinha perdido para ela em 2014 no Mundial por equipes. Estava perdendo, tive alguns segundos para me recuperar e conseguir vencer", afirmou.

Rafaela também pensou nos pontos para o ranking classificatório para encontarr forçar para a virada. "Além da força de vontade tem os pontos para o ranking para as Olimpíadas, é importante para ser cabeça de chave nos Jogos", explica. "A maioria das atletas com quem lutei estarão nos Jogos e estão melhores no ranking. É importante começar o ano bem, estudando as adversárias e trabalhar porque ainda tem duas competições este mês”, afirma.

O percurso de Rafaela Silva no Grande Slam parisiense começou com vitórias sobre a americana Hana Carmichael, a húngara Hedvig Karakas, a francesa Catherine Beauchemin-Pinard. Na semifinal ela parou na mongol Sumiya Dorjsuren e foi para a repescagem encarar e se vingar da polonesa Podolak.

O dia não foi s ó de alegrias para o Brasil. Felipe Kitadai (-60kg) parou na segunda rodada e Alex Pombo também perdeu sua segunda luta para o japonês Riki Nakaya. Neste domingo (7) mais seis atletas brasileiros voltam ao tatame do Grand Slam de Paris.
 

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.