Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 15/09 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 15/09 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 15/09 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 15/09 09h57 GMT
  • 09h33 - 09h57 GMT
    Programa 15/09 09h33 GMT
  • 09h30 - 09h33 GMT
    Jornal 15/09 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 14/09 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 14/09 15h06 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Esportes

Dirigente da Fifa é extraditado para os Estados Unidos

media Dirigentes da Fifa são acusados de corrupção. REUTERS/Ruben Sprich/Files

Um dos sete dirigentes da Fifa detidos no dia 27 de maio em Zurique foi extraditado nesta quarta-feira (15) para os Estados Unidos, comunicou hoje a Justiça suíça. O homem foi entregue a três policiais americanos, que o escoltaram no avião, com destino a Nova York. As prisões ocorrem a pedido da justiça americana, que acusa os cartolas de corrupção, fraude e conspiração na Federação Internacional de Futebol.

Entre os detidos está o ex-presidente da CBF, José Maria Marin. Nesta semana, o brasileiro foi ouvido pela primeira vez pelas autoridades suíças, e se negou a ser extraditado. Agora, o caso deve ser avaliado pela justiça do país.

O Escritório Federal de Justiça da Suíça, em Berna, declarou que não pode informar o nome do dirigente que foi levado aos Estados Unidos, a pedido do réu. Segundo o jornal americano Wall Street Journal, trata-se de Jeffrey Webb, de 50 anos, mas a informação não foi confirmada pelas autoridades suíças. Webb, originário das Ilhas Cayman, era uma das figuras principais da Fifa, vice-presidente da instituição e presidente da Concacaf, federação de futebol da América do Norte, Central e Caribe, no momento de sua detenção.

Segundo o suíços, o cartola se opôs à extradição em um primeiro momento, logo após a prisão. Mas na audiência seguinte, em 9 de julho, mudou de ideia. Desta maneira, a justiça agilizou o procedimento e já entregou o acusado aos americanos.

Ainda de acordo com os suíços, o Ministério Público de Nova York suspeita a pessoa em questão de ter “recebido propina de milhões de dólares de empresas comerciais esportivas, em troca de direitos de comercialização”. “Isso ocorreu em eliminatórias para a Copa do Mundo, campeonatos regionais e campeonatos continentais na América do Norte e do Sul”, informou o escritório. “Essas práticas atingiram financeiramente duas confederações continentais da Fifa e diferentes associações nacionais.”

Outros cartolas detidos

Um porta-voz da justiça, Raphael Frei, afirmou que as audiências dos outros réus continuam. Os sete dirigentes são acusados pelos americanos de ter recebido mais de US$ 100 milhões em propina.

As autoridades suíças, por sua vez, investigam a atribuição duvidosa das Copas do Mundo de 2018 e 2022 para a Rússia e o Catar, respectivamente. As suspeitas levaram o presidente da Fifa, Joseph Blatter, a pedir demissão quatro dias depois de ser reeleito à frente da entidade. Blatter vai permanecer no cargo até a realização de uma nova eleição, que deve ocorrer no ano que vem.

 

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.